Publicidade

Correio Braziliense

Vendas do comércio caem em julho, somando três meses consecutivos de recuo

Em comparação com julho de 2017, as vendas do varejo recuaram 1%, interrompendo 15 taxas positivas seguidas neste comparativo


postado em 13/09/2018 09:25

De acordo com o IBGE, cinco das oito atividades pesquisadas recuaram em julho no varejo(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
De acordo com o IBGE, cinco das oito atividades pesquisadas recuaram em julho no varejo (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

 
As vendas do comércio tombaram 0,5% em julho, na comparação com o mês imediatamente anterior. Este é o terceiro resultado negativo consecutivo, acumulando perda de 2,3%. Os dados foram divulgados na manhã desta quinta-feira (13/9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Em comparação com julho de 2017, as vendas do varejo recuaram 1%, interrompendo 15 taxas positivas seguidas neste comparativo. O IBGE destacou que há influência na base de comparação porque, no ano passado a liberação das contas inativas do FGTS possibilitou maior consumo. 

No acumulado de 2018, o avanço é de 2,3%, frente aos primeiros sete meses do ano passado. Em 12 meses, passou de 3,6% para 3,2%, sinalizando perda no ritmo de vendas. 

Considerando o comércio varejista ampliado — que inclui atividades de veículos, motos e material de construção — o volume de venda caiu 0,4% em julho, na comparação com junho. No acumulado de doze meses passou de 6,7% para 6,5%. 

Vendas

De acordo com o IBGE, cinco das oito atividades recuaram em julho no varejo. Foram elas: móveis e eletrodomésticos (-4,8%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,5%), tecidos, vestuário e calçados (-1,0%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,7%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-0,9%). 

Na contramão, tiveram desempenho positivo hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,7%), Combustíveis e lubrificantes (0,4%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,1%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade