Publicidade

Correio Braziliense

VÍDEO: desperdício de alimento chega a 1,3 milhão de tonelada no mundo

Brasil reúne características de nações subdesenvolvidas e ricas, com perdas do pós-colheita e escoamento ao consumo. Mais de 5 milhões de pessoas passam fome no país


postado em 14/09/2018 06:00 / atualizado em 14/09/2018 10:59

Enquanto 821 milhões de pessoas passam fome no planeta, o desperdício de alimentos chega a 1,3 bilhão de toneladas por ano. Os dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) são ainda mais alarmantes quando aplicados à projeção do Boston Consulting Group, segundo a qual, se nada for feito para combater as perdas, em 2030, 2,1 bilhões de toneladas vão parar no lixo, a um custo de US$ 1,5 trilhão por ano.


No Brasil, que ostenta o título de um dos maiores produtores agrícolas do mundo, 5,2 milhões de habitantes simplesmente não têm o que comer e a subnutrição é uma mazela comum entre os mais pobres. Ao mesmo tempo, o país ocupa a incômoda posição de aliar características de subdesenvolvimento, com perda de um terço no pós-colheita e no escoamento da safra, aos hábitos de nações ricas, com 28% de desperdício no fim da cadeia e no consumo.

Organismos internacionais apontam que, até 2050, a produção agropecuária mundial teria de aumentar entre 50% e 70% para sustentar o crescimento da população, sob pena de não ser mais possível alimentar a todos. Cabe à sociedade, portanto, reverter esse triste quadro e fazer com que a comida que iria para o lixo volte à mesa, antes que seja tarde. Para traçar o caminho do desperdício e as iniciativas de combate às perdas, o Correio apresenta uma série de matérias que começa hoje.

 

 


A infraestrutura logística precária e o baixo índice de capacitação nas lavouras fazem com que as perdas, no Brasil, ocorram desde o campo até a mesa do consumidor, passando pelo transporte, atacado e varejo, explica a pesquisadora do Centro de Estudo de Logística da Fundação Getulio Vargas Luciana Marques Vieira, especialista em cadeias agroalimentares. “O problema não é tecnológico, as ferramentas existem e há como reduzir a perda. O que falta é interesse e participação dos setores alimentares. Temos que engajá-los nessa agenda”, alerta.

Luciana destaca que são necessários estímulo, para que as tecnologias existentes sejam aplicadas, e incentivo à capacitação dos responsáveis pela colheita, transporte e distribuição. “Quando o agricultor vê que o produto está fora do padrão, nem colhe, deixa apodrecer, porque vai ter custo com frete e não vai vender. O alimento acaba no lixo, sendo que tem todas as qualidades nutricionais”, ressalta. Na outra ponta da cadeia, falta conscientização do consumidor, diz a especialista. “Um alimento imperfeito não necessariamente é descartável. Muitas vezes é até mais saudável, porque tem menos pesticida”, afirma.

No meio do caminho, as redes supermercadistas e os restaurantes também precisam se sensibilizar. “O varejo só vai colocar isso na agenda se o consumidor cobrar. Porque, enquanto isso não ocorrer, o comércio embute as perdas no preço de venda”, explica. Lacunas de regulação ainda impedem que os estabelecimentos façam o reaproveitamento ou a doação de alimentos por questões de segurança alimentar. “É preciso mensurar o problema para garantir o engajamento necessário para enfrentá-lo”, completa Luciana.

 

 

Metodologia

No país, não há, ainda, uma metodologia capaz de quantificar as perdas e o desperdício de alimentos, mas as provas estão por todos os lugares. Uma olhada no próprio lixo pode revelar o tamanho do problema. “Uma família média perde 20% do que compra em alimentos, porque o faz por impulso, venceu o prazo de validade ou não houve aproveitamento integral”, conta Daniela Leite, idealizadora da Comida Invisível, empresa social que atua com educação e conscientização.

No maior centro de distribuição de alimentos da América Latina, o volume de desperdício impressiona. Anita de Souza Dias Gutierrez, engenheira agrônoma do centro de qualidade da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), explica que, mesmo sendo um local onde a permanência do produto é pequena, são várias perdas. “A maior parte do que entra é comercializada no mesmo dia. Das 10 mil a 12 mil toneladas que circulam diariamente, 100 a 150 toneladas vão para o lixo”, diz. Ela alerta ainda para a perda de qualidade, que desvaloriza o produto. “O que chega mal embalado ou a granel vem machucado ou amadurecido. Pode até ter saído da lavoura com qualidade adequada, mas, com o transporte e o manuseio, perde valor”, afirma.

O mercado atacadista é composto de comerciantes, assinala Anita, portanto, só vai parar no lixo o que é impossível de vender. “Mas há situações em que o produto se desvalorizou tanto que só serve para doação ou para o lixo”, lamenta. As perdas se multiplicam pelas Ceasas do país e não é diferente no Distrito Federal. A Ceasa-DF gera 400 toneladas de resíduos por mês, sendo quase 300 toneladas de orgânicos, revela Marcos Aurélio Rigueira Sampaio, engenheiro de alimentos do órgão.

Ainda que o problema seja antigo e com graves implicações sociais, econômicas e ambientais, as iniciativas para combater as perdas e os desperdícios são incipientes e começam a despontar em todos os elos da cadeia. No campo, boas práticas de colheita e manuseio asseguram maior tempo de vida aos alimentos. No transporte e logística, inovação em tecnologias de embalagem garantem a integridade do produto até os centros de distribuição, que coletam sobras e doam para entidades assistenciais. Nos restaurantes e supermercados, gerenciamento e controle cortam o prejuízo em até 40%. E, na casa do consumidor, medidas como o aproveitamento integral dos alimentos, armazenamento correto e reaproveitamento evitam o desperdício.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade