Publicidade

Correio Braziliense

Avianca entra com pedido de recuperação judicial

Empresa vem sofrendo ações de retomada de aeronaves arrendadas por falta de pagamento


postado em 11/12/2018 19:03 / atualizado em 11/12/2018 21:04

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A Avianca Brasil entrou com pedido de recuperação judicial (antiga concordata) na 1ª Vara Empresarial de São Paulo, na segunda-feira (10/12), de acordo com o jornal “O Estado de S. Paulo”. O pedido, de R$ 50 milhões, está em segredo de Justiça. Procurada, a companhia apenas informou que está levantando as informações, que serão compartilhadas “o quanto antes”. Na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), as ações das concorrentes Gol e Azul subiram 13% e 7%, respectivamente.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que “está acompanhando a situação da empresa Avianca” e que “até o presente momento, não foi notificada sobre eventual recuperação judicial”. “A Agência já vem solicitando os esclarecimentos necessários sobre a prestação de assistência aos passageiros que poderão ser impactados com eventual reajuste de malha. Caso sejam identificados pontos em desconformidade com as normas da Agência, a Anac poderá aplicar sanções à empresa conforme o que for constatado”, informou a agência, em nota. “A Anac reforça, ainda, o acompanhamento dos requisitos de segurança exigidos para a correta prestação de serviços pela empresa”, destacou.

O organismo reforçou que, conforme a resolução n°400/2016, é dever da companhia aérea informar aos passageiros os motivos de atrasos e cancelamentos de voo. Segundo a Anac, alterações podem ocorrer até 72h antes do voo, nas quais passageiro e empresa aérea definem a melhor solução para a prestação do serviço previamente contratado. "Caso as alterações de voo ocorra após esse horário ou diretamente no aeroporto, é dever da empresa oferecer aos passageiros, em casos de atraso superior a uma hora do voo, facilidade de comunicação (ligação telefônica, internet e outros); para atraso superior a duas horas, a empresa deverá oferecer alimentação de acordo com o horário; e, para atraso superior a quatro horas, a empresa deverá oferecer hospedagem quando houver necessidade de pernoite. Na hipótese de cancelamento de voo, a empresa aérea deverá reacomodar os passageiros em voos de terceiros ou realizar o reembolso integral das passagens comercializadas.também não manifestou sobre o assunto. O último relatório sobre a demanda agência não vem publicando seus informativos sobre o setor desde setembro”, desatacou a Anac.

A Avianca vem sofrendo ações de retomada de aeronaves arrendadas por falta de pagamento. Segundo o jornal, nos últimos dias, no entanto, a companhia conseguiu pagar parte das dívidas e obrigações com as concessionárias aeroportuárias. A empresa está sob risco de ter de devolver 11 aviões, equivalentes a 18% de sua frota, à Constitution Aircraft. Recentemente, captou R$ 130,7 milhões junto aos bancos ABC, Daycoval, Safra e Fibra, com vencimentos entre 2018 e 2021, o que elevou para R$ 306 milhões o endividamento da companhia, que estava em R$ 194 milhões no fim do ano passado.

Conforme os dados mais recentes da Anac sobre, a participação da Avianca, a participação da companhia no mercado doméstico passou de 12,6%, em 2017, para 14,1%, neste ano, com base em dados até outubro. De acordo com a agência, as quatro principais empresas brasileiras de transporte aéreo público somaram, no segundo trimestre de 2018, um prejuízo de R$ 1,8 bilhão, quase o dobro do saldo negativo de R$ 964 milhões apurado no mesmo período do ano passado. Entre as quatro maiores companhias aéreas, o prejuízo da Avianca no segundo trimestre foi o menor, de R$ 141,1 milhões. Nesse intervalo, o prejuízo da Azul foi de R$ 186,4 milhões, o da Gol foi de R$ 988,3 milhões e o da Latam, de R$ 464,9 milhões.
 
Em nota enviada às 20:24 desta terça-feira (11/12), a Avianca informa que entrou com a solicitação de recuperação devido "à resistência de arrendadores de suas aeronaves a um acordo amigável". A empresa reforça, ainda, que suas operações não serão afetadas pela situação.

Confira a nota na íntegra: 

"A Avianca Brasil comunica que, devido à resistência de arrendadores de suas aeronaves a um acordo amigável, entrou com um pedido de recuperação judicial para proteger os seus clientes e passageiros. Como primeira decisão da Justiça, teve seus pedidos garantidos, como a liberação de sua frota para o cumprimento de todos os voos programados, nos aeroportos onde opera.


A companhia reforça que suas operações não serão afetadas. Os passageiros podem ter absoluta tranquilidade em fazer suas reservas e adquirir seus bilhetes, pois todas as vendas serão honradas e os voos mantidos. 


A Avianca Brasil continuará atendendo todos clientes, voando para todos os destinos com a qualidade e excelência pela qual é conhecida."


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade