Publicidade

Correio Braziliense

Gasolina chega a R$ 3,95, apesar do aumento nas refinarias

Neste mês, a alta já atinge 7,42% nas distribuidoras


postado em 13/12/2018 06:00

Queda ocorre apesar de a Petrobras anunciar alta nas refinarias (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )
Queda ocorre apesar de a Petrobras anunciar alta nas refinarias (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )


Os motoristas da capital aproveitaram ontem o baixo preço da gasolina em diversos postos da cidade. Na Asa Norte, era possível encontrar o combustível a R$ 3,95. A expectativa, no entanto, é de que os preços não se mantenham abaixo de R$ 4, já que a Petrobras anunciou ontem aumento de 1,12% no preço das refinarias, que passam a comercializar o litro a R$ 1,6121. Neste mês, a alta já atinge 7,42% nas distribuidoras.

Apesar disso, nos postos houve queda nos últimos levantamentos do Correio. Ontem, o litro era vendido, em média, a R$ 4,10, com queda de, aproximadamente, 3% em relação à pesquisa da semana anterior, de R$ 4,22. Para o professor de administração pública da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Piscitelli, a redução dos preços está relacionada ao valor do barril do petróleo no mercado internacional e a estabilização do câmbio.

Ele alerta, entretanto, que o mercado de commodities é muito volátil e o alívio agora pode não persistir. “É preciso estar atento e acompanhar as variações, não abastecendo logo no primeiro estabelecimento”, recomendou. Na opinião dele, a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em restringir a produção de 1,2 milhão de barris de petróleo por dia (bpd), a partir de janeiro de 2019, ainda não produziu efeito nos preços internacionais.

Nas bombas, quem agradece é o bolso do consumidor. O empresário Alan Barreto, 38 anos, já sentiu a redução, mas não comemora. “Por rodar o dia inteiro, gasto entre R$ 300 e R$ 400 por semana. Pesa muito no orçamento, mas reconheço que a queda é nítida”, disse. O empresário procura abastecer em um mesmo posto da cidade, por confiar na qualidade do combustível comercializado, o que ajuda no rendimento do veículo.

* Estagiário sob supervisão de Rozane Oliveira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade