Publicidade

Correio Braziliense

Medida que coíbe fraudes na Previdência pode economizar R$ 20 bilhões

A estimativa foi dada durante coletiva de imprensa, que também contou com a presença do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni


postado em 08/01/2019 22:41

(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
 
A equipe econômica encaminhará amanhã para o presidente Jair Bolsonaro a medida provisória que serve para coibir fraudes e privilégios nos benefícios previdenciários. Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, a economia com o dispositivo será de R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões por ano. A estimativa foi dada durante coletiva de imprensa, que também contou com a presença do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. 

Assim que avaliar, Bolsonaro pode pedir a publicação da medida provisória, que começa a valer com força de lei. O Congresso Nacional precisa, porém, se debruçar sobre o texto em até 180 dias. “O primeiro movimento é uma medida provisória contra fraudes e privilégios. Isso vai ser levado amanhã (quarta-feira) para o presidente. Isso deve dar um ganho de uns R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões por ano, uma coisa mais ou menos assim. Uma medida antifraude e contra privilégios”, afirmou. 

Durante seu discurso de posse, no dia 2, Guedes afirmou que o valor poderia chegar até R$ 30 bilhões. O ministro se reuniu com Lorenzoni para tratar sobre assuntos ligados à Previdência. Os detalhes da MP não foram apresentados. A expectativa é de que haja uma revisão de todos os benefícios para verificar possíveis irregularidades. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade