Publicidade

Correio Braziliense

Plataforma de petróleo teve impacto de US$ 2,1 bilhões nas importações

De acordo com diretor do Departamento de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, as exportações de janeiro registraram o maior valor da série histórica para o mês, iniciada em 1997


postado em 01/02/2019 17:50 / atualizado em 01/02/2019 18:10

(foto: Paulo Silva Pinto/CB/D.A Press)
(foto: Paulo Silva Pinto/CB/D.A Press)

O diretor do Departamento de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, disse nesta sexta-feira (01/2) que as exportações de US$ 18,579 bilhões em janeiro registraram o maior valor da série histórica para o mês, iniciada em 1997. Com as importações de US$ 16,387 bilhões, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,192 bilhões no mês passado.

"As exportações de janeiro tiveram um impacto de US$ 1,3 bilhão com o registro da venda de uma plataforma de petróleo. E essa mesma plataforma teve um efeito de US$ 2,1 bilhões nas importações", detalhou. "Até 2021, quando haverá a mudança do regime de tributação do setor, não teremos mais esse tipo de operação em duas vias na balança comercial", completou.

Segundo ele, sem o impacto da operação da plataforma de petróleo, as exportações teriam crescido 1,5% em janeiro e a importações teriam alta 0,7% em relação ao primeiro mês de 2018. "Seria um ritmo de crescimento parecido com o dos meses anteriores. O mês de janeiro costuma ser o de menos movimento na balança no ano", acrescentou Brandão.

Diferentemente do comum nos anos anteriores, a Secretaria de Comércio Exterior não fará uma projeção para o volume das exportações em 2019. "Não faremos projeção para exportações por orientação do novo governo", disse Brandão.

Perguntado pelos jornalistas, ele negou que essa orientação tenha sido dada expressamente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. "A agenda do governo é aumento da inserção econômica do Brasil. A posição do governo é se ater a questões estruturais e não fazer prognósticos", respondeu.


Minério exportado em 2018


Brandão disse que ainda não é possível dimensionar o impacto da redução da produção da Vale em Minas Gerais no total de minério exportado pelo Brasil. No ano passado, o País exportou 390 milhões de toneladas da commodity.

"Minas Gerais foi responsável por 37% do minério exportado em 2018, mas o Estado já vinha perdendo a participação na exportação brasileira de minério", afirmou. "Não consigo precisar impacto da redução da produção da Vale em MG sobre a balança porque é necessário saber o quanto desse volume iria para o mercado externo e o quanto pode ser compensando pela produção em outras áreas, como no Pará", completou.


Balança de petróleo e derivados


Brandão informou que a balança de petróleo e derivados teve superávit de US$ 965 milhões em janeiro.

Segundo ele, as exportações somaram US$ 2,6 bilhões, com alta de 2% em relação a janeiro de 2018. Já as importações totalizaram R$ 1,6 bilhão, com queda de 17% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

"A redução de despesas com combustíveis no mês passado ocorreu devido ao menor do preço do barril de petróleo no exterior", explicou.

Carne de frango para Arábia Saudita

 

 

Brandão disse que houve uma queda de 18% nas exportações de carne de frango para a Arábia Saudita em janeiro.

Ele lembrou que a Arábia Saudita é o principal destino das exportações brasileiras de carne de frango, mas ponderou que a queda nas vendas para o País começou já no ano passado, quando houve uma recuo de 20% nos embarques totais.

"Restrições sanitárias é algo que ocorre ao longo do tempo com vários países", afirmou, evitando comentar questões diplomáticas entre os dois países. Por outro lado, as vendas brasileiras de carne bovina para a Arábia Saudita cresceram 24% em janeiro - o país é o oitavo principal destino do produto brasileiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade