Publicidade

Correio Braziliense

Mineradoras globais aprimoram sistemas de segurança de barragens

Depois das tragédias brasileiras, fiscalizações e protocolos tendem a se tornar mais rígidos em todo o mundo, especialmente em locais de geografia mais complexa


postado em 11/02/2019 06:00 / atualizado em 11/02/2019 17:55

Empreendimento do sistema Minas-Rio, da Anglo American, em Conceição do Mato Dentro (MG) (foto: Graziela Reis/Estado de Minas -15/4/17 )
Empreendimento do sistema Minas-Rio, da Anglo American, em Conceição do Mato Dentro (MG) (foto: Graziela Reis/Estado de Minas -15/4/17 )
São Paulo — As sirenes do sistema de segurança que não tocaram no Complexo do Feijão, em Brumadinho — e que poderiam ter evitado uma das maiores tragédias da história do Brasil —, acenderam o sinal de alerta em várias companhias do setor mundo afora.

Durante toda a semana, executivos da anglo-australiana BHP Billiton realizaram, na sede da companhia, em Melbourne, na Austrália, diversas reuniões para tornar as normas e protocolos de segurança ainda mais rigorosos. “Estamos perplexos e profundamente abalados com as duas tragédias ocorridas em Minas Gerais nos últimos anos, envolvendo a Samarco e, agora, a Vale”, disse um alto executivo da BHP, que pediu para não ter seu nome relevado. “Vamos tornar nossos procedimentos de segurança ainda mais rígidos a partir de agora, não só em nossa maior operação, aqui na Austrália, mas em todas as unidades sob nossa responsabilidade no mundo.” A BHP Billiton, para relembrar, é sócia da Vale na Samarco, detentora de 50% do capital.

A promessa de aprimoramento da segurança não significa, no entanto, que haverá alguma mudança concreta. Essa movimentação no setor da mineração já havia ocorrido após o desastre em Mariana, considerado o pior incidente ambiental do Brasil, que provocou a morte de 19 pessoas.

Na realidade, o rompimento das barragens dos complexos de Germano e do Feijão, da Samarco e da Vale, respectivamente, não significam grandes transformações no modus operandi das mineradoras de grande porte. Em Minas Gerais, predomina o uso barragens para descarte dos rejeitos, mas, mundialmente, a extração do minério de ferro é feita em minas profundas.

Isso facilita o descarte pelo sistema de cavas, considerado mais seguro e o que está sendo proposto pela Samarco para voltar a operar. Mesmo assim, as grandes mineradoras globais registram forte aumento no número de acidentes fatais desde 2015, quando a queda da cotação do minério de ferro as obrigou a promover fortes cortes de custos. No caso da BHP, por exemplo, foram registradas cinco mortes em operações na Austrália, África do Sul e Chile no mesmo ano em que a barragem de Mariana se rompeu.

Também em 2015, outra potência do setor, a Rio Tinto, confirmou a morte de três funcionários entre janeiro e agosto, de acordo com reportagem publicada pela Dow Jones Newswires. Já em 2014, outras duas haviam sido contabilizadas. A Anglo American reportou cinco mortes em 2015. Um ano antes, foram seis óbitos. A mineradora Glencore teve 16 mortos em 2014 e oito em 2015. “Houve muitos avanços na questão da segurança das empresas, mas essa evolução pode ter gerado muita confiança e uma certa complacência”, diz David Cliff, professor de saúde ocupacional e segurança na mineração da Universidade Queensland, na Austrália.

Desafio 
A justificativa para os acidentes, tanto no dia a dia da operação quanto em ocorrências inesperadas, como o rompimento de barragens, é semelhante entre as grandes mineradoras: a topografia das áreas onde o minério é encontrado. A Glencore alegou, na reportagem da Dow Jones, que a maioria das fatalidades que ocorreram se deram em “geografias desafiadoras, que não tinham cultura de segurança” antes de a companhia assumir.

Grande parte dos acidentes de mineração ocorre, no entanto, em minas fora do controle das grandes empresas. Recente exemplo disso foi a dramática ocorrência com os 33 mineiros chilenos que ficaram presos por 69 dias. A mina era administrada por uma pequena empresa local, a Compañia Minera San Esteban Primera.

Analisando globalmente, porém, a China continua a liderar, com folga, o número de acidentes fatais na mineração. Somente no ano passado, pelo que se sabe, foram 346 mortes. Apesar disso, as mortes vêm caindo vertiginosamente. Houve 7 mil vítimas de acidentes fatais em 2002.

“Houve muitos avanços na questão da segurança das empresas, mas essa evolução pode ter gerado muita confiança e uma certa complacência”
David Cliff, professor de saúde ocupacional e segurança

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade