Publicidade

Correio Braziliense

CB.Poder: diretor da Instituição Fiscal do Senado fala sobre Previdência

Gabriel Leal de Barros definiu o modelo atual da Previdência com uma "transferência de renda do pobre para o rico"


postado em 19/02/2019 20:31 / atualizado em 19/02/2019 20:31

(foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)

A aposentadoria do Legislativo representa, em média, 19 vezes a mais que a do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O inativo deste poder recebe cerca de R$ 26 mil, enquanto o aposentado pelo INSS R$ 1,4 mil. Os dados foram apresentados pelo diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado,  Gabriel Leal de Barros, no CB.Poder desta terça-feira (19/2), o programa é uma parceria entre o Correio Braziliense e a TV Brasília. 

As outras aposentadorias também são bem mais altas que a do INSS. No Executivo, o aposentado recebe R$ 8,5 mil mensais; no Judiciário, R$ 18 mil; e no Ministério Público, R$ 14 mil. Barros avalia que a Previdência no modelo que está é uma "transferência de renda do pobre para o rico".

De acordo com o economista, o maior problema do Brasil são os gastos excessivos. Segundo ele, o Brasil é um país ainda jovem, gasta mais com Previdência que o Japão que tem mais idosos. Outro ponto abordado na entrevista foi a mudança da proposta da Previdência no Congresso. 

Para Barros, o desgaste do governo com o caso do ex-ministro Gustavo Bebianno pode atrapalhar a tramitação do Congresso para a aprovação do projeto no sentido de preservar ao máximo a proposta original. "A reforma precisa ser significativa sem perder de vista o ganho fiscal para o Brasil colocado pelo governo", disse.
 
* Estagiária sob supervisão de Roberto Fonseca 
 
 
Confira a entrevista na íntegra:
  
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade