Publicidade

Correio Braziliense

FT cita 'xixigate' e pergunta se agenda de costumes prejudicará reformas

O jornal britânico salientou que críticos pediram ao Twitter que banisse o presidente da rede social ou que o Congresso abrisse processo de impeachment por conta do vídeo obsceno


postado em 08/03/2019 17:18 / atualizado em 08/03/2019 17:21

(foto: Sergio Lima/AFP)
(foto: Sergio Lima/AFP)

 

O jornal britânico de economia Financial Times publicou nesta sexta-feira (8/20, uma reportagem sobre o Brasil em sua versão online que traz uma pergunta sobre a recente atuação do presidente: as "Guerras de cultura" de Jair Bolsonaro vão prejudicar as reformas econômicas do Brasil?". O texto do FT salienta que o "xixigate" aumenta os temores de que o presidente esteja excessivamente concentrado em disputas digitais desnecessárias.

Certas frases, conforme o diário, podem definir presidências. O presidente dos EUA, John F. Kennedy, disse: "Não pergunte o que seu país pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer pelo seu país."

Nesta semana, Jair Bolsonaro, o novo presidente do Brasil, cunhou algumas frases reveladoras, segundo a publicação. "Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade", escreveu em um tuíte ligado a um vídeo obsceno. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro", acrescentou o presidente.

O site salientou que críticos pediram ao Twitter que banisse o presidente da rede social ou que o Congresso abrisse processo de impeachment por causa do "xixigate". Também que defensores elogiaram sua "razoabilidade". Um conselheiro leal defendeu o tuíte como uma demonstração corajosa de degeneração pública - validando assim o apelo de Bolsonaro às armas por valores familiares e pela moralidade cristã tradicional.

Se o objetivo de Bolsonaro era desviar a atenção do público de outros problemas, ou revidar as sátiras carnavalescas feitas em relação a sua presidência e pessoa, de acordo com o texto, ele conseguiu em parte. Dois trending topics brasileiros desta semana foram #BolsonaroEstaCerto e #PresidenteGoldenShower. Havia ainda #ImpeachmentBolsonaro e #VergonhaDoPresidente.

O FT lembrou que mais de 58 milhões de brasileiros votaram em Bolsonaro nas eleições do ano passado, apesar de seu histórico de comentários incendiários e provocativos. De fato, para muitos, a abordagem das guerras culturais de Bolsonaro foi central em seu apelo.

Uma preocupação agora, no entanto, é que seu estilo de governo esteja excessivamente focado em guerras culturais e disputas digitais desnecessárias, e que isso poderia prejudicar as principais reformas econômicas e o papel do Brasil como a maior democracia da América Latina.

"Podemos voltar a discutir Venezuela e a reforma da Previdência agora?", perguntou o analista político Oliver Stuenkel.

Bolsonaro, cujo índice de aprovação pública caiu de 65% para 39%, deve se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Washington, dentro de dez dias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade