Publicidade

Correio Braziliense

Dólar tem maior queda porcentual em 15 dias com expectativa de avanço da reforma

Com baixa de 0,75%, a moeda norte-americana encerrou o dia cotada em R$ 3,8409


postado em 11/03/2019 19:21 / atualizado em 11/03/2019 19:22

 

(foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
(foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

 

O dólar engatou a segunda queda consecutiva e fechou no maior ritmo de baixa (-0,75%) em 15 dias, cotado em R$ 3,8409 nesta segunda-feira (11/3). Após bater em R$ 3,90 na semana passada, investidores seguiram desmontando posições compradas em dólar, aquelas que ganham com a alta da moeda americana, em meio ao otimismo com a reforma da Previdência, com a confirmação da instalação na quarta-feira (13) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara, onde a medida inicia sua tramitação no Congresso. O exterior mais positivo também ajudou, com o dólar recuando ante moedas emergentes como o peso mexicano e o rand da África do Sul. 


Investidores estrangeiros reduziram em US$ 1,1 bilhão suas posições compradas em dólar no mercado futuro somente na sexta-feira (4/3), segundo dados da B3. O movimento deu continuidade à redução dessas posições iniciadas no dia anterior, quando o presidente Jair Bolsonaro começou a postar mensagens sobre a prioridade da reforma da Previdência. Na sexta, o ministro da Economia Paulo Guedes declarou ao 'Estado' que mapeamento do governo mostra que faltam apenas 48 votos para a reforma conseguir ser aprovada na Câmara.

Também repercutiu bem nas mesas de operação nesta segunda a reunião no final de semana entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir a reforma. Segundo relatos, Bolsonaro deu sinal verde para Maia encaminhar pedidos de nomeações no segundo escalão do governo. Nesta segunda, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) disse que a articulação do governo vai melhorar e em duas semanas "tudo estará fluindo no céu de brigadeiro".

Na avaliação do gerente de tesouraria do Travelex Bank, Felipe Pellegrini, todas essas notícias sobre a Previdência contribuíram para um clima de otimismo com reforma, refletido na queda do dólar nesta segunda. Ele vê chance de o dólar voltar a operar abaixo dos R$ 3,80 se houver novos desdobramentos positivos. Já se ocorrerem "engasgos", o câmbio pode ficar mais estressado, destaca ele.

Sobre a CCJ, os economistas do JPMorgan esperam que a reforma seja aprovada nesta comissão, mas a tramitação também será útil para ver a capacidade do Planalto de negociar com o Congresso. Qualquer atraso na CCJ pode adiar a tramitação, ressalta o JP em relatório. "Continuamos a ver uma estrada com solavancos para a aprovação de uma reforma mais diluída no final do ano", observa o banco, destacando que prevê economia fiscal ao redor de R$ 700 bilhões.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade