Publicidade

Correio Braziliense

Inflação acelera e atinge 0,43% em fevereiro, diz IBGE

Com isso, o indicador atingiu 0,75% no acumulado do ano. Os analistas de mercado acreditam que o IPCA ficará em 3,87% até o fim do ano


postado em 12/03/2019 09:37

(foto: Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil )
(foto: Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil )

 
A inflação acelerou em fevereiro. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) variou 0,43% em fevereiro, enquanto a taxa havia sido de 0,32% em janeiro. 

Os dados foram divulgados na manhã desta terça-feira (12/3). Com isso, o indicador atingiu 0,75% no acumulado do ano. Os analistas de mercado acreditam que o IPCA ficará em 3,87% até o fim do ano. Ou seja, abaixo do centro da meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que estabeleceu uma taxa de 4,25% para 2019.

Segundo o IBGE, no acumulado de 12 meses, a inflação passou de 3,78% em janeiro para 3,89%. 

O instituto mostrou que, no último mês, eeis dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta, de janeiro para fevereiro. O principal destaque é a inflação de Educação, que subiu 3,53% no mês com a volta do período escolar. 

O impacto do grupo só foi menor que o de Alimentação e Bebidas (0,78%). Houve uma desaceleração m na alta de preços do grupo, que saiu de 0,9% em janeiro para 0,78% em fevereiro. O grupamento da alimentação no domicílio subiu 1,24%, impulsionado, especialmente, pelas altas observadas nos preços do feijão-carioca (51,58%), da batata-inglesa (25,21%), das hortaliças (12,13%) e do leite longa vida (2,41%). Por outro lado, caiu o preço das carnes (-1,23%), do arroz (-1,23%), do frango inteiro (-1,69%) e do tomate (-5,95%).

As outras altas ficaram por conta de: Saúde e Cuidados Pessoais (0,49%), Habitação (0,38%), Artigos de Residência (0,20%) e Despesas Pessoais (0,18%). Por outro lado, dois grupos tiveram deflação: Transportes (-0,34%) e Vestuário (-0,33%). Já o grupo de Comunicação ficou estável no período (0,00%)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade