Publicidade

Correio Braziliense

Analistas esperam que rombo das contas públicas seja de R$ 98,1 bi em 2019

Segundo a previsão dos economistas, a receita líquida do governo federal será de R$ 1,322 trilhão em 2019, enquanto as despesas totais, de R$ 1,419 trilhão


postado em 14/03/2019 10:13

Os economistas diminuíram a previsão para o rombo nas contas públicas em 2019. Segundo o relatório Prisma Fiscal, divulgado mensalmente pelo Ministério da Economia, os analistas esperam que o déficit no resultado primário seja de R$ 98,1 bilhões no ano, com estimativas obtidas em março. No mês anterior, o mercado esperava perdas de R$ 99,5 bilhões. 

O resultado primário é contabilizado de acordo com as receitas e despesas do país. Desde 2014, o Brasil tem gastos acima do que é arrecadado. Se o valor esperado pelos economistas for concretizado, as contas públicas terão o quinto ano consecutivo de rombo. A previsão de algumas instituições é de que o déficit encerre apenas em 2022. 

O governo federal defende que a principal razão para o descompasso das contas públicas são os gastos previdenciários. Por isso, encaminhou em fevereiro a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para revisar as regras de aposentadorias e pensões. 

Segundo a previsão dos economistas, a receita líquida do governo federal será de R$ 1,322 trilhão em 2019, enquanto as despesas totais, de R$ 1,419 trilhão. Mas, com a redução da projeção de déficit, a previsão para a dívida pública também diminuiu, apesar de estar em nível alarmante. 

O Prisma fiscal mostrou que os economistas trabalham com um índice de 78% da dívida pública bruta, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) do país. Em fevereiro, a expectativa era a mesma. 

Para 2020, as estimativas apontam um rombo nas contas públicas seja de R$ 68,4 bilhões, com dívida pública de 79,24% do PIB. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade