Publicidade

Correio Braziliense

Alcolumbre: proposta de militar seguirá junto com reforma, mas será votada depois

O presidente do Senado explicou que o acordo foi um compromisso que ele e Rodrigo Maia fizeram com os militares


postado em 14/03/2019 14:19 / atualizado em 14/03/2019 16:11

(foto: Ed Alves/CB/D.A. Press.)
(foto: Ed Alves/CB/D.A. Press.)

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou nesta quinta-feira (14/3) que foi acordado com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que a proposta que deverá alterar as regras para a previdência dos militares vai caminhar junto com a da reforma da Previdência, mas será votada depois dela. O acordo, explicou, foi um compromisso que ele e Maia fizeram com os militares.


"Se a reforma for votada pela manhã, o projeto de lei dos militares vai ser votado à tarde. Se for votado num dia a reforma da Previdência, a dos militares vai ser no outro dia. Uma coisa é certa: o compromisso que nós assumimos nós vamos honrar", afirmou a jornalistas pela manhã. Ele ainda disse que "amanhã ou no máximo segunda-feira esta matéria chega na Casa".

Na segunda-feira, 11, líder do PSL na Câmara, delegado Waldir, afirmou que ficou estabelecido, em um diálogo com Maia, que a reforma dos militares só será votada no plenário da Câmara após a votação da PEC da Nova Previdência. Waldir, no entanto, não soube explicar se essa votação da PEC será no primeiro turno ou apenas no segundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade