Publicidade

Correio Braziliense

Partidos e movimentos de oposição se mobilizam contra nova Previdência

Ato convocado pela CUT ocorre às 17h desta sexta-feira, em São Paulo, que enfrentou paralisação de motoristas e cobradores de ônibus pela manhã


postado em 22/03/2019 16:40 / atualizado em 22/03/2019 16:50

Convocados pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), sindicatos e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam, nesta sexta-feira (22/3), em São Paulo, um ato contra a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro. A manifestação está marcada para as 17h, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista.

Pela manhã, no entanto, motoristas e cobradores de ônibus do estado paulista já realizaram uma paralisação, o que afetou cerca de 1 milhão de pessoas, segundo a Prefeitura da capital paulista. Já o PT aproveitou a data para lançar, em Brasília, uma campanha contra a reforma, com o mote “Lute hoje para não se arrepender depois”.

Guerra no Twitter

A movimentação das entidades sindicais e do PT fez com que o Twitter se transformasse em um campo de batalhas de internautas pró e contra a reforma. A hashtag #LutePelaSuaAposentadoria se tornou um dos assuntos mais comentados da rede social, mas havia postagens também com a #EuApoioANovaPrevidência. 

 

Enquanto as expressões a favor da reforma mobilizaram políticos do Novo — como os deputados federais Vínicius Poit (Novo-SP) e Alexis Fonteyne (Novo-SP) e João Amoedo, candidato a presidente pelo partido em 2018 —, além do Movimento Brasil Livre (MBL), as críticas vinham basicamente de lideranças da oposição. Entre os que tuitaram contra a reforma, estão deputados de PT, Psol, PCdoB e Podemos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade