Publicidade

Correio Braziliense

Capacidade produtiva do país cresce timidamente, diz levantamento do Ipea

Investimentos no setor avançaram 0,4% em fevereiro de 2019


postado em 04/04/2019 10:36 / atualizado em 04/04/2019 10:47

(foto: Gladyston Rodrigues/Estado de Minas)
(foto: Gladyston Rodrigues/Estado de Minas)

O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) divulgado, nesta quinta-feira (4/4), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou avanço no mercado de máquinas e equipamentos e queda no setor da Construção Civil. Contudo, o indicador, em geral, apontou alta nos investimentos de 0,4% em fevereiro frente ao período imediatamente anterior. Em janeiro, o crescimento havia sido de 2,1%. 

O FBCF mede o investimento em máquinas, equipamentos, construção civil e pesquisas do setor. Na comparação do trimestre terminado em fevereiro com o trimestre terminado em novembro, a alta foi de 1,1% para o setor das máquinas e equipamentos. Em relação a fevereiro de 2017, o aumento foi mais expressivo: 10,1%. Com isso, o crescimento acumulado em doze meses chegou a 5,2%. 

O consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came), com ajuste sazonal, o crescimento foi de 2,9% em fevereiro. Esse dado foi o responsável por puxar para cima o indicador FBCF. De acordo com a linha de produtos que compõem o Came, a produção interna de bens de capital líquida de exportações cresceu 43,5%; em contraponto, a importação de bens de capital retraiu 47,1% na margem. O Ipea justifica a forte oscilação, em parte, devido aos efeitos das operações de comércio exterior envolvendo plataformas de petróleo no mês passado.

A construção civil não teve bom resultado. De acordo com o indicador, o setor recuou 1,2% na comparação dessazonalizada. Isso fez com que o trimestre dezembro (2018), janeiro e fevereiro (2019) ficasse com resultado praticamente estável. A elevação foi de apenas 0,2% frente ao período imediatamente anterior. O terceiro componente, outros ativos fixos, também apresentou queda de 0,6% na passagem de janeiro para fevereiro.

Em comparação com o mesmo período em 2018, o desempenho não surpreendeu. O Came teve alta de 17,5% frente a fevereiro do ano passado. A construção civil registrou queda de 0,8% e, por fim, outros ativos fixos teve alta de 3,7% em relação a fevereiro de 2018.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade