Publicidade

Correio Braziliense

Superintendente: Suframa precisa retomar papel de desenvolvimento regional

Alfredo Menezes calcula que o valor disponível para investimentos na região será de cerca de R$ 40 milhões


postado em 11/04/2019 18:39

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 
 
O superintendente da Zona Franca de Manaus (Suframa), coronel Alfredo Menezes, que assumiu o cargo há um mês, prometeu resgatar o papel de agente de desenvolvimento regional da Suframa. Para isso, porém, ele afirma que é preciso reduzir o contingenciamento dos recursos. Segundo Menezes, a expectativa é que o orçamento da autarquia chegue a R$ 300 milhões este ano, dos quais, R$ 30 milhões devem ser contingenciados. Ele calcula que o valor disponível para investimentos na região será de cerca de R$ 40 milhões.  

Os recursos da Suframa são oriundos de repasses sobre o faturamento das empresas instaladas na Zona Franca de Manaus. “No passado, esses recursos criaram o pólo moveleiro da Zona Franca e custearam a construção de pontes. A Suframa tem dois papéis: de fiscalizador e de promotor do desenvolvimento. Precisamos resgatar o vetor do desenvolvimento”, disse Menezes no seminário “A Importância da Zona Franca de Manaus para o Crescimento do País” , uma parceria entre o Correio e a Academia Brasileira de Direito Trabalhista  (ABDT), realizado hoje pela manhã no auditório do Tribunal de Contas da União (TCU). 

O superintendente disse ainda que a Suframa precisa fazer uma autocrítica e melhorar sua comunicação com os setores o resto do país, além de atrair as entidades de classe para o debate a respeito do futuro da ZFM. Para ele, o Suframa vai poder desempenhar melhor seu papel de impulsionador do desenvolvimento regional se tiver autonomia administrativa e financeira.   

Criada em fevereiro de 1967 e com atuação na Amazônia Ocidental (Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima) e nos municípios de Macapá e Santana, no Amapá, a Suframa é hoje um parque industrial com cerca de 500 empresas. Em 2018,  o Polo Industrial de Manaus (PIM) fechou 2018 com faturamento de R$ 94,082 bilhões, o que representa um crescimento de 14,64% em relação ao faturamento obtido no ano de 2017 (R$ 82,070 bilhões).

A Zona Franca de Manaus é um  programa de estímulo à indústria, cujo  modelo econômico foi prorrogado até o ano de 2073, mediante a promulgação da Emenda Constitucional 83, de 2014.Na opinião dos especialistas que participaram do seminários, os incentivos fiscais da ZFM são uma o forma de atrair as empresas para a região e gerar mais empregos. Hoje a ZFM emprega 85 mil trabalhadores, empregos diretos, no polo industrial. 

Os especialistas que participaram do Seminário afirmam que a ZFM, ao mesmo tempo que promove desenvolvimento econômico, ajuda a preservar a floresta, por implementar um modelo sustentável de produção, além de reduzir as desigualdade social regionais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade