Publicidade

Correio Braziliense

Avianca vai intensificar cancelamento de voos a partir desta segunda-feira

No fim de semana, foram canceladas 25 decolagens da companhia, que está em processo de recuperação judicial. A partir desta segunda, serão mais de 50 diários


postado em 14/04/2019 21:41 / atualizado em 16/04/2019 15:10

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Alerta aos passageiros que estão prestes a viajar pela Avianca Brasil. O cancelamento de voos deve se intensificar a partir desta segunda-feira (15/4). Serão mais de 50 voos suspensos por dia. Na semana passada, a empresa anunciou o cancelamento de 179 deles até quarta-feira (17), próximo ao feriado da Semana Santa. Mas novos adiamentos podem acontecer. Em recuperação judicial desde dezembro de 2018, a companhia aérea foi obrigada a tomar essas medidas, devido ao atraso no pagamento do aluguel de aeronaves e das tarifas em vários aeroportos. Os problemas já são grandes no momento.

Nos últimos seis meses, de acordo com o site Reclame Aqui, a empresa já recebeu 3.441 reclamações e resolveu apenas 68,6% dos problemas. Na tarde de domingo, embora a empresa tenha divulgado que “está tomando as medidas necessárias para manter a normalidade das operações”, quatro pessoas estavam ansiosas por retorno e solução de pendências. Uma passageira pedia o estorno do valor pago. No dia 9 de março, ela e as amigas tiveram um voo do Aeroporto Santos Dumont (RJ) para Congonhas (SP) cancelado. “O atendente do balcão disse que teríamos o reembolso do voo e das despesas de alimentação”, contou.

Em 25 de março, ela ligou para o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC). “Adriana (protocolo 2276330) pediu que eu enviasse um documento com foto, mais as despesas, e ligasse uma hora após, para que eles fizessem a checagem e dessem andamento no processo”. Em 26 de março, ela enviou e-mail e ligou, conforme o combinado. “Rodrigo (protocolo 2278237) disse que estava tudo certo. Era só aguardar cinco dias úteis. Em 7 de abril, perguntei se havia alguma novidade. Sem retorno”. No dia seguinte, ela voltou a ligar (protocolo 2278237).

“Hoje, 14 de abril -13 dias úteis após -, depois de mais de 20 minutos em espera, a atendente Bárbara informou que estava sem sistema e não conseguiria nem gerar um protocolo de atendimento e nem ver o status do meu processo. E ai, Avianca?”, questionou a passageira. Outro cliente aguarda resposta sobre um voo para Miami (EUA), marcado para 17 de maio, partindo de Congonhas (SP). E avisa que não vai aceitar escala e quer que seja mantido o assento conforto que comprou. “A empresa afasta mais ainda os clientes, no momento em que precisa deles. Aguardo retorno até amanhã (15). Para o bem de todos, é melhor que resolvamos logo”, diz o cliente.

De acordo com Rita Taliba, especialista em direito aeronáutico do Braga Nascimento e Zilio Advogados, a melhor saída é a amigável. “Entre em contato com a Avianca ou com a agência de viagem onde foi feita a compra. Deixe tudo documentado, por escrito, para provar sua intenção de acordo”, explicou. Caso não consiga embarcar ou precise comprar outra passagem de urgência, insista no reembolso. “Quem escolheu assento conforto, dificilmente, com a empresa nessa situação, conseguirá exatamente o que comprou”, destacou Rita Taliba.

A última etapa, se a conversa entre as partes não der resultado, é a Justiça. “O prazo de resolução de conflitos, mesmo nos Juizados de Pequena Causas, é de seis meses, podendo chegar a um ano. O ideal é insistir na resposta positiva da Avianca”, destacou Rita. Não esqueça, também, de buscar informações na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac - https://www.anac.gov.br/assuntos/passageiros ou https://www.anac.gov.br/passageirodigital). “É importante destacar que nas ações que envolvam valores até 20 salários mínimos, o consumidor não precisa sequer de advogado”, lembrou Fernanda Zucare, especialista em direito do consumidor do Zucare Advogados Associados. “Todos os custos – não apenas a passagem aérea – devem ser computados, como gastos com transporte, alimentação, hospedagem, entre outros”, reforçou Fernanda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade