Publicidade

Correio Braziliense

Avianca vai cancelar mais de 300 voos até o próximo sábado

Empresa que está em recuperação judicial está sendo obrigada a devolver aviões por falta de pagamento


postado em 15/04/2019 16:54 / atualizado em 15/04/2019 17:11

Durante o fim de semana, 25 voos foram cancelados. Nesta segunda-feira, outros 50 deixaram de ocorrer(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Durante o fim de semana, 25 voos foram cancelados. Nesta segunda-feira, outros 50 deixaram de ocorrer (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 
Em decorrência da redução de frota, a Avianca Brasil anunciou o cancelamento de 304 voos até o próximo sábado (20). Os aviões da empresa está sendo devolvidos em decorrência de decisões da Justiça sobre falta de pagamento. A empresa está sob recuperação judicial. 

Durante o fim de semana, 25 voos foram cancelados. Nesta segunda-feira, outros 50 deixaram de ocorrer.  No site é possível consultar os voos cancelados. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que recebeu um pedido para cancelar a inscrição de 10 aviões usados pela Avianca e que foram alugados da Constitution Aircraft Leasing.  

Em nota, a Avianca informou que vai entrar em contato com os passageiros dos voos cancelados. A intenção é reembolsar os clientes afetados ou buscar reacomodações em outras companhias aéreas. 

A empresa pediu recuperação judicial em dezembro do ano passado, afetada pela alta do dólar, que elevou o preço do querosene, usado para abastecer aviões. Em 2017, a Avianca se tornou a quarta maior companhia aérea do país, com 13% do mercado e encomendou 62 aeronaves A320neo. Mas no ano seguinte veio a derrocada da empresa, que hoje opera com 35 aeronaves, sendo que eram 45 em 2018.

Com a falta de pagamento do aluguel, outros aviões podem ser devolvidos as empresas de origem. 

Linha do tempo


1998 - Surge a OceanAir

2004 - OceanAir compra a colombiana Avianca

2010 - Surge a Avianca Brasil, operando rotas regionais

2010 - Empresa começa a operar na rota Rio-São Paulo

2016 - Encomenda 62 aeronaves A320neo

2017 - Começa a operar para Miami, Nova York e Santiago

Tempos de bonança

2017 - Chega ao seu auge no Brasil

2017 - Se torna  responsável por 13% do mercado nacional de aviação

2018, ano da queda

- Alta do dólar encarece o querosene e causa crise na empresa

-  Fecha o ano com prejuízo de R$ 141 milhões

- Pede recuperação judicial

- Dívida chega a R$ 500 milhões


2019, crise se aprofunda

- Demite 140 funcionários e devolve aviões, ficando com 50

- Encerra 21 rotas e deixa de operar nos aeroportos de Belém (PA), Galeão (RJ) e Petrolina (PE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade