Publicidade

Correio Braziliense

Avianca pretende demitir 900 pilotos e comissários, diz sindicato

Demissões devem ocorrer até esta quinta-feira. Em meio a crise da companhia aérea, 600 funcionários já foram mandados embora


postado em 15/05/2019 20:30 / atualizado em 15/05/2019 20:38

(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
 
 
A Avianca pretende realizar demissão em massa de pelo menos 900 tripulantes até esta quinta-feira (16/5). A informação é do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA). A ação ocorre em meio à recuperação judicial da empresa, que tem cancelado voos por todo o país. O Sindicato, portanto, organizou uma greve dos funcionários da empresa, prevista para esta sexta-feira (17/5). 

O sindicato afirma que são esperadas as demissões de 200 pilotos e 700 comissários de bordo. Até o momento, 600 pessoas já foram demitidas. “O Sindicato Nacional dos Aeronautas ressalta que está acompanhando e assessorando os tripulantes convocados para desligamento, além de estar tomando as providências cabíveis em relação aos direitos de todos,” informa a nota, que é finalizada com um convite aos aeronautas à greve nos aeroportos de Santos Dumont (Rio de Janeiro) e Congonhas (São Paulo), devido aos impasses de pagamentos e benefícios.

Durante a assembleia, que decretou a greve dos funcionários, o Sindicato informou que os tripulantes da companhia fizeram uma manifestação espontânea, de forma unânime, para apoiar o requerimento feito pela Azul Linhas Aéreas à Justiça de São Paulo, de realização de “propostas fechadas” de uma única UPI (Unidade Produtiva Isolada) como forma de alienar parte dos ativos da Avianca. O SNA ressaltou o compromisso firmado pela Azul, que, em resposta a solicitação, garantiu que contrataria apenas ex-funcionários da Avianca para operar a UPI. O valor mínimo proposto pela Azul para o arremate da UPI é de U$ 145 milhões, que operaria com 21 slots (autorizações de pouso e decolagem). 

Em meio as demissões, a Avianca tem tentado evitar de qualquer maneira a greve dos funcionários. A empresa entrou com uma ação cautelar de dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST) a fim de evitar a paralisação dos tripulantes. O documento, enviado ao ministro Ricardo de Lacerda Paiva na terça-feira (14/5), preza viabilizar a continuidade dos "serviços essenciais" e o "iminente risco de lesão ao interesse público”. 

Os advogados argumentaram sobre os esforços da empresa de tentar manter a situação o mais próxima da normalidade possível, no entanto, não houve acordo entre as partes e o despacho seguirá na quinta-feira com a ministra Dora Maria da Costa. 

Procurada pelo Correio, a Avianca informou que não comentará sobre as demissões e as greves. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade