Publicidade

Correio Braziliense

Desigualdade de renda é a maior em sete anos, indica levantamento

O índice de 0,627, medido no primeiro trimestre deste ano, é o maior desde o primeiro trimestre de 2012, início da série histórica, quando o número era de 0,608


postado em 20/05/2019 15:15 / atualizado em 20/05/2019 15:20

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Com a taxa de desemprego em alta, atigindo os 12,7% no primeiro trimestre do ano, aliada aos efeitos prolongados da recessão iniciada em 2014, a desigualdade de renda atingiu o nível mais elevado em sete anos, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), divulgado nesta segunda-feira (20/5).

 

O índice de 0,627, medido no primeiro trimestre deste ano, é o maior desde o primeiro trimestre de 2012, início da série histórica, quando o número era de 0,608. Este foi o décimo sétimo aumento trimestral consecutivo do indicador.

 

No quarto trimestre do ano passado, o índice de Gini do rendimento domiciliar per capita do trabalho estava em 0,625. Após o primeiro trimestre de 2019, o indicador subiu para 0,627.

 

O índice é calculado a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e mede a desigualdade numa escala de zero a um. Zero representaria a igualdade perfeita.

 

De acordo com o autor do levantamento e pesquisador do Ibre/FGV, Daniel Duque, não há uma solução imediata. "Eu não vejo soluções a curto prazo. Estamos vendo que, desde a metade de 2016, os mais ricos estão recuperando as rendas deles. Temos uma situação em que parece que só os mais bem posicionados na sociedade estão conseguindo ter ganhos desde o fim da crise", afirma o pesquisador.

 

Para Duque, o maior desafio para a redução da desigualdade é a oferta de emprego para as pessoas de menor qualificação. "O que precisa ser feito é ter um cenário de melhora na economia baseado no emprego da população de classes mais baixas", pontua.

 

* Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade