Publicidade

Correio Braziliense

Inovação futurística: Embraer revela o Uber voador

Chamado de eVTOL, veículo que mistura o visual de um drone ao de um helicóptero fará seu primeiro voo em 2020. A aeronave tem capacidade de decolagem e pouso na vertical


postado em 12/06/2019 06:00 / atualizado em 12/06/2019 00:11

A primeira apresentação pública do eVTOL está marcada para a Dubai World Expo, em 2020(foto: Embraer/Divulgação)
A primeira apresentação pública do eVTOL está marcada para a Dubai World Expo, em 2020 (foto: Embraer/Divulgação)
São Paulo — Em poucos anos, ao pedir um Uber pelo aplicativo, você poderá ir a um heliponto em vez de descer até a rua. A EmbraerX, a recém-criada divisão de tecnologia e mobilidade da fabricante brasileira de aviões, revelou nesta terça-feira (11/6), durante a conferência Uber elevate, em Washington, nos Estados Unidos, o novo conceito do seu veículo voador elétrico.

Chamado de Electric Vertical Take-off and Landing (eVTOL), o projeto é resultado de uma parceria entre a Embraer e a Uber, assinada em 2017. A proposta é testar táxis voadores já em 2020, com a primeira apresentação pública marcada para ocorrer na Dubai World Expo. O evento, que está sendo realizado no mercado americano, reúne uma comunidade global de fabricantes, investidores e representantes governamentais com o objetivo de tornar realidade a visão sobre a mobilidade aérea urbana compartilhada.

O conceito da aeronave elétrica com capacidade de decolagem e pouso na vertical, conhecida como eVTOL, é um dos múltiplos projetos da EmbraerX, subsidiária da Embraer focada em mobilidade urbana. “Unimos a visão do desenvolvimento centrado no ser humano com os nossos 50 anos de expertise em negócios e engenharia de uma forma única”, diz Antonio Campello, presidente e CEO da EmbraerX. “Esses são os fatores por trás dos avanços técnicos e das inovações que estamos trazendo para o novo conceito de eVTOL”.

A ideia da Embraer é produzir uma aeronave acessível, mas ainda não definiu valores para a sua operação no mercado. Segundo a empresa, o foco é priorizar a confiabilidade, os baixos custos de operação, menos ruído (para não alimentar a poluição sonora das cidades) e o funcionamento 100% elétrico.

Em termos de segurança, a empresa diz que aplicou sistemas de redundância similares aos de aeronaves — se um equipamento falhar, o outro entra imediatamente  em operação. Na propulsão, é usado um sistema de oito rotores, o que, sempre de acordo com a fabricante brasileira, emite baixos ruídos. Em comunicado, Mark Moore, diretor de engenharia de aviação da Uber, afirmou que “está ansioso em continuar colaborando com a Embraer para desenvolver um veículo aéreo de compartilhamento silencioso, sustentável e seguro”.

A Embraer aposta alto nos veículos aéreos como novos protagonistas na mobilidade urbana. A empresa diz que está comprometida com o desenvolvimento de diversas outras soluções sob medida para o ecossistema aéreo urbano, incluindo a nova plataforma de negócios Beacon, projetada para promover a colaboração e sincronizar empresas e profissionais de serviços de aviação, para manter as aeronaves voando.

Além disso, em parceria com controladores de tráfego aéreo, acadêmicos, pilotos e especialistas do setor, a EmbraerX propôs recentemente um projeto de tráfego aéreo urbano para permitir que mais aeronaves operem em ambientes urbanos.

Projetos

A EmbraerX é das grandes apostas da companhia para expandir suas operações para além do mercado da aviação comercial. A divisão é uma aceleradora criada com o propósito de desenvolver experiência e soluções urbanas. Subsidiária da Embraer S.A., está sediada em Melbourne, no estado americano da Flórida. Existem também unidades de pesquisa no Vale do Silício e em Boston integrados à equipe de engenharia da companhia no Brasil.

Nos Estados Unidos, diversas empresas têm projetos de táxis-aéreos urbanos. A Tesla, de Elon Musk, chegou a desenvolver protótipos, mas deixou a iniciativa de lado para concentrar esforços em carros autônomos. A Nasa, a agência espacial americana, já realizou parcerias com a própria Uber, e agora investe em drones para a entrega de mercadorias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade