Publicidade

Correio Braziliense

Rusgas sobre a Previdência acendem o sinal de alerta do mercado

Bolsa tem queda em meio a troca de acusações entre Guedes e Maia


postado em 15/06/2019 07:00

Troca de farpas entre Maia e Guedes afeta o mercado(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Troca de farpas entre Maia e Guedes afeta o mercado (foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O mercado financeiro fechou a semana temeroso de novos desentendimentos entre o Executivo e o Legislativo. A insatisfação do ministro da Economia, Paulo Guedes, com o relatório da reforma da Previdência, apresentado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), foi explícita. Ele criticou o Congresso abertamente pelas mudanças feitas na proposta do governo, que diminuiu para “R$ 860 bilhões o impacto da reforma na economia”. Em resposta, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou não ter compromisso como governo, que classificou como “uma usina de crises”. Em meio a esse clima, o dólar terminou o dia cotado a R$ 3,899, com alta de 1,15%, e o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), aos 98.040 pontos, com queda de 0,74%.

De acordo com o economista Álvaro Bandeira, do Modal Mais, as expectativas fiscais continuam acima do esperado, já que estavam entre R$ 600 bilhões e R$ 700 bilhões. Para ele, os resultados do Ibovespa desta semana são um ajuste, pois ainda tem muito o que esperar do relatório pela frente. “O quadro está apenas começando, ainda vai ter discussão, mudanças e acréscimos até o projeto ficar pronto”, explicou.

Para Bolívar Godinho, professor de finanças da Unifesp, a redução da economia já era esperada e pode ser que reduza ainda mais. Assim, não foi tão decepcionante para os investidores, tanto que na quinta-feira a bolsa fechou em alta. “Não é realista imaginar uma proposta com todas as mudanças e que o Congresso não mexeria no relatório”, disse.

No cenário externo, a notícia de que a produção industrial da China desacelerou para menor taxa em 16 anos preocupou os investidores. Segundo Bolívar, o fato impactou bastante no recuo da bolsa brasileira. “Hoje a queda veio muito pelo impacto do setor internacional. O crescimento da economia chinesa não é tão forte e afeta o mundo todo”, disse.

O mercado se sente pressionado também por tensões entre Irã e Estados Unidos. Nesta sexta-feira (14/6), o presidente iraniano, Hassan Rouhani, afirmou que as ações norte-americanas ameaçam a estabilidade do Oriente Médio. As afirmações ocorreram após os americanos acusarem o Irã de ser responsável pelo ataque que provocou incêndio em dois navios petroleiros no Golfo de Omã, na quinta-feira (13/6).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade