Publicidade

Correio Braziliense

Diploma de graduação e pós-graduação não é mais garantia de emprego

Prolongamento da crise revela o drama de pessoas que, mesmo com formação técnica ou diplomas de graduação e pós-graduação, não encontram oportunidades no mercado formal de trabalho. Criatividade é arma para conseguir sobreviver


postado em 17/06/2019 06:00 / atualizado em 17/06/2019 07:01

A advogada Fernanda Zoo já foi assessora no GDF; hoje, organiza seminários e palestras par garantir a renda(foto: Minervino Júnior/CB/DA.Press)
A advogada Fernanda Zoo já foi assessora no GDF; hoje, organiza seminários e palestras par garantir a renda (foto: Minervino Júnior/CB/DA.Press)
Técnico qualificado em mecânica e eletrônica, que fala inglês e mandarim, é morador de rua há dois anos. Advogada especializada em direito do servidor, com pós-graduação, usa a criatividade para mudar de ramo. Nutricionista recém-formada está disposta a aceitar qualquer emprego e advogada se arrisca nas vendas virtuais de roupas plus size para sobreviver. Todos esses casos têm em comum o mesmo elemento: apesar da formação de alto nível, são pessoas que não escaparam do redemoinho em que a desocupação, o subemprego, o desalento e a ausência de esperança no futuro arrastam milhões de brasileiros ao desespero. Os dramas, aparentemente individuais, têm a mesma causa: a crise econômica e a falta de confiança no futuro.


Marcos Paulo Machado de Jesus, 37 anos, é técnico em mecânica e eletrônica, mas mora na rua desde março de 2017. Ele chegou a Brasília em 2016, em busca de concurso público para a Câmara ou o Senado, mas também de trabalho na iniciativa privada. “A princípio, fui para um hostel. O dinheiro acabou e procurei uma unidade de acolhimento do GDF”, narra. Hoje, faz bicos: lava e vigia carros, trabalha com carga e descarga. Na quadra 402 Norte, passa o dia lendo para não deixar que se dissipe totalmente da memória o que aprendeu, e conta com a ajuda de comerciantes para café, almoço e jantar. “As chances ficam cada vez mais distantes. É difícil conseguir emprego. Na entrevista, tenho que estar de banho tomado, vestimenta adequada e ter endereço fixo”, conta.

Cursos

Jesus nasceu na Zona Norte do Rio de Janeiro, filho de um pedreiro (já falecido) e uma empregada doméstica. Foi criado pela madrinha. Em 2006, iniciou o curso de engenharia mecânica na Unisuam. “Não continuei por causa dos filhos”, conta. Ele se casou em 2008 e tem quatro filhos. Quando ainda era casado, foi para Salvador trabalhar na produção de festas e eventos. De volta ao Rio, fez cursos técnicos em mecânica e eletrônica. Passou no vestibular para matemática na UFRJ, em 2011, mas foi chamado pela Petrobras para trabalhar no projeto de implantação do Módulo SAP MM (controle de estoque), com salário de R$ 2,5 mil.

Separado da esposa em 2016, resolveu tentar a sorte em Brasília. No início deste mês, surgiu a primeira oportunidade. “Fui tentar uma vaga na Fercal (onde há grandes empresas produtoras de cimento, usinas de asfalto e derivados). Mas era para trabalhar em condições insalubres”, diz. Jesus não passou no exame médico, pois tem anemia falciforme e não pode lidar com produtos químicos.

Uma advogada e servidora pública, que não quis se identificar, foi quem descobriu as habilidades técnicas de Jesus e incentivou os amigos a ajudá-lo. Ela observou os livros que o técnico lia, um deles no idioma chinês. “Conversei com ele sobre o mandarim. Quando vi que os símbolos (desenhos) dele são muito melhores que os meus, fiquei tocada. Ele tem até carteira do Crea”, conta.

O caso de Marcos Paulo de Jesus é extremo. Porém, há outros, como o da advogada Fernanda Zoo, 33, que se tornou microempreendedora individual (MEI) para fugir do desemprego, em 2017, depois de atuar na assessoria de Pessoal e Gestão, Política Pública e Gênero e Raça na Casa Civil do Governo do Distrito Federal (GDF), com salário de R$ 4,5 mil. No cargo, participou de negociações estratégicas com servidores e em assuntos da área social.

“Cheguei a entregar panfleto e vender brigadeiro, até criar o MEI”, reforça Fernanda, que é mãe de Júlia, de 6 anos. Agora, ela organiza palestras e seminários na área acadêmica. “Tive que mudar de rumo. Atualmente, a área de gênero no Brasil, onde sempre trabalhei, é quase um palavrão. Aos trancos e barrancos, minha renda está em torno de R$ 6 mil”, diz.

Saturação

Nayara Santana, 35, advogada, formou-se em 2010. Como estagiária, já trabalhava na área jurídica em um escritório de advocacia, lidando com defesa de servidores públicos. Ficou lá até 2014, com carteira assinada e honorários de participação, e chegou ao cargo de gerente. “Mas, o ambiente ficou péssimo e decidi tentar outras coisas. Primeiro, concurso público. Depois, fui para um outro escritório que, entretanto, quase fechou as portas em 2016”, diz Nayara.

A advogada está fora do mercado, com uma pós-graduação em direito civil concluída e outra em andamento, em direito digital. Fala inglês e espanhol e fez curso de empreendedorismo. “Abri uma loja virtual de roupas plus size, já encerrada. Agora, tenho uma empresa de consultoria na área de marketing. Eu me pergunto o que vou fazer com esse conhecimento todo. Vejo colegas fazendo audiências por R$ 100 e diligências por R$ 300”, questiona. Ela diz que cogitou mudar de profissão. “Cheguei a me inscrever no Enem para arquitetura.”

De acordo com Nayara, o mercado de direito no Brasil está saturado. “No edifício onde trabalhava, 70% das salas eram escritórios de advocacia. Agora, parece um prédio fantasma. Houve uma mudança de mentalidade. A meritocracia deixou de ser importante. Especialização, em qualquer profissão, acaba funcionando para quem indica. Vi muitas pessoas com menor qualificação ganhando mais que outras.”

Jéssica Jacomini Zanetoni, nutricionista, 29 anos, formou-se há um ano e faz pós-graduação, mas nem sequer entrou no mercado. “As empresas exigem, no mínimo, dois anos de experiência registrados em carteira”, lamenta. Formada pela Universidade de São Paulo, Jéssica está desanimada. “Depois de anos de uma excelente faculdade, aceito qualquer emprego. A melhor opção seria abrir consultório, mas não tenho capital inicial. É difícil”, afirma.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade