Publicidade

Correio Braziliense

Passagens aéreas sobem com saída da Avianca do mercado

Trecho Rio-Brasília subiu 44,5% com saída do Santos Dumont e 141,5% quando a partida é do Galeão


postado em 19/06/2019 22:26 / atualizado em 19/06/2019 22:26

(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
A saída da Avianca do mercado de aviação fez os preços de passagens aéreas dispararem no Brasil. As passagens, no mercado como um todo, se mostraram cerca de 30% mais caras em uma média de tarifa de R$ 445,85, de acordo com os dados divulgados pela Anac nesta quarta-feira (19/6).

A Avianca, no auge de sua crise em abril, teve um aumento de 39,9% no preço das passagens em comparação aos 12 meses anteriores. Gol e Latam dividiam espaço com a empresa entre as três maiores companhias do país, registrando aumentos acima da média. A Gol teve um crescimento de 38,2% e preço médio de R$ 427,63, enquanto a Latam com 41,4%, a R$ 410,98.  

No caso da Avianca, o aumento nos preços se mostrou expressivo principalmente nas rotas de maior atividade. Na ponte aérea Rio-São Paulo, a alta bateu 72%, com um valor de R$ 384,21. O trecho entre Rio e Salvador teve alta de 84,9% no valor da passagem, com R$ 625,84. O trecho Rio-Brasília subiu 44,5% com saída do Santos Dumont (para R$ 343,13) e 141,5% quando a partida é do Galeão (para R$ 488,58).

Com isso, o leilão de ativos previsto para acontecer em 10 de julho, pode ser afetado. A empresa, que entrou com um pedido de recuperação judicial em dezembro do ano passado, planejava leiloar seis unidades produtivas isoladas (UPIs) com slots (autorizações de pouso e decolagem) nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont, além do programa de fidelidade (Amigo), com quase 3 milhões de clientes cadastrados.

A Anac informou que, apesar dos dados divulgados, ainda não há novidades sobre o processo de recuperação judicial da Avianca, que está sendo conduzido na  1ª Vara de Falência da Justiça de São Paulo pelo juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, responsável por montar um plano de leilão para a companhia. A agência ressaltou que mesmo no nome da empresa, não há mais direito sobre os slots que perderam a regularidade.

Procurada pelo Correio, a Avianca não respondeu até o fechamento desta matéria. 
 
*Estagiarias sob supervisão de Ronayre Nunes. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade