Economia

25 anos do Real: país está próximo da recessão, de acordo com professor

Pelos cálculos do professor José Oreioro, são de 70% as chances de o PIB ter registrado dois trimestres seguidos de queda

postado em 08/07/2019 11:46
Professor de Economia José Luis Oreiro da UnB -  (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Professor de Economia José Luis Oreiro da UnB - (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Oreiro vê risco de convulsão social se o desemprego continuar tão elevado

Professor-adjunto do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB), José Luis Oreiro afirma que o problema de baixo crescimento da economia brasileira é estrutural e destaca que o país está afundado no problema cíclico do desemprego. ;Temos 70% de chance de entrar em uma recessão técnica em 2019. Isso significa que estamos na mais lenta recuperação de atividade já vista na história do país. São 13% de desempregados. Quando coloca uma definição mais ampla, que inclui desalentados e aqueles que trabalham menos horas do que gostariam, a taxa de desocupação chega a 25% da força de trabalho. São 25 milhões de pessoas;, contabiliza.

Ao considerar uma família média de três pessoas, são 75 milhões de brasileiros que sofrem os efeitos da desocupação. Diante desse quadro, Oreiro diz que há o risco de o país sair da renda média e cair na pobreza, uma vez que o desemprego de longo prazo atinge um terço da população. ;Renegar as questões de recuperação cíclicas de nível de atividade como sendo questões menos relevantes, em algum momento pode gerar uma convulsão social com consequências sérias;, alerta.

O economista aponta que a causa da crise iniciada em 2014, da qual o país ainda não saiu, se baseia no colapso no investimento público e privado e no superaquecimento da economia. ;O governo Dilma Rousseff achava que o diagnóstico errado sobre a questão do baixo crescimento econômico era de escassez de demanda agregada, quando, na verdade, era um problema estrutural, relacionado com a mudança na composição da estrutura produtiva na economia brasileira, o diagnóstico foi errado, logo, foram utilizados instrumentos equivocados;, ressalta.

Indexação


Segundo ele, o Plano Real não conseguiu eliminar inteiramente a indexação na economia e tornar o real uma unidade de conta de fato, em que todos os contratos, preços e salários fossem expressos. ;Isso não foi feito. Continuamos com economia indexada, com contratos indexados. Portanto, nesse sentido, temos uma estabilização inacabada, que gera maior dificuldade para o Banco Central baixar os juros. Na verdade, a autoridade monetária é obrigada a elevar os juros pontualmente, o que acaba tornando a gestão macroeconômica mais difícil;, aponta.

Para Oreiro, o que explica a redução do crescimento da economia brasileira a partir dos anos 1980 foi a queda sensível do esforço de arrumação de capital. ;Enquanto que, nos anos 50, 60, 70, o país crescia 9%, 10% ao ano. A partir dos anos 80, 90 e 2000, o Brasil passou a crescer 2,5% ao ano, ou seja, o país investiu uma fração muito pequena do PIB na expansão da capacidade produtiva, em máquinas, instalações, infraestrutura, e isso reduziu brutalmente a taxa de crescimento. Por outro lado, não é possível ter desenvolvimento de longo prazo se não tiver produtividade.;

Ele explica que o aumento da produtividade está diretamente relacionado ao crescimento do estoque de capital físico por trabalhador. ;A redução do ritmo de crescimento da economia e da produtividade está umbilicalmente relacionada com a diminuição do esforço de arrumação de capital, tanto do setor privado quanto do setor público. O salto que a economia deveria ter dado era aumentar a participação no mercado de manufaturados. O que podemos dizer é que os momentos em que a taxa de crescimento do PIB per capita cai são aqueles em que há contração da participação da indústria;, destaca.

Metas


O economista ainda elenca problemas no grau de utilização de capacidade produtiva (efeito acelerador), a participação dos lucros na renda (efeito lucratividade), a taxa real de câmbio (efeito competitividade externa) e taxa real de juros (efeito custo do capital), que foram motivos que levaram à queda da taxa de investimento. No entender dele, o maior desafio para a economia é a redução do desemprego. As metas de crescimento, acredita, podem ser atingidas por meio de ações do Banco Central. ;O BC pode começar a cumprir o protocolo de metas de inflação e a reduzir as taxas de juros, porque, se vamos fechar o terceiro ano consecutivo com o custo de vida abaixo da meta, isso significa que a instituição não está cumprindo o protocolo; explica.

Oreiro também acredita que a consolidação fiscal de longo prazo é a saída para os problemas econômicos atualmente enfrentados no país. ;Nós precisamos fazer uma consolidação fiscal de um prazo um pouco mais longo para dar espaço no Orçamento para aumentar o investimento público. Esse contingenciamento de R$ 30 milhões que o ministro da Economia anunciou para o segundo semestre vai simplesmente piorar as coisas, agravar a recessão e aumentar o desemprego,; conclui.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação