Publicidade

Correio Braziliense

Dívida pública sobe em junho e atinge R$ 3,977 trilhões, diz Tesouro

O endividamento do governo federal ocorre porque há um avanço dos gastos obrigatórios, em especial da Previdência Social


postado em 25/07/2019 14:53

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
O estoque da dívida pública do governo federal subiu 2,24% em junho e atingiu R$ 3,977 trilhões, segundo dados do Tesouro Nacional. Em coletiva de imprensa, na tarde desta quinta-feira (25/7), o órgão mostrou que, em maio, o volume estava em R$ 3,89 trilhões. 

O endividamento do governo federal ocorre porque há um avanço dos gastos obrigatórios, em especial da Previdência Social. Por isso, as contas públicas estão no vermelho desde 2014. 

Uma das apostas do governo para frear o avanço das despesas é fazer a reforma da Previdência, que está em discussão na Câmara dos Deputados. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) passou no primeiro turno na casa, mas ainda precisa ser validado em nova votação antes de ir para o Senado. 

Para financiar o rombo, o governo precisa emitir títulos, o que, na prática, é ofertar papéis no mercado que serão remunerados, no futuro, com juros. A emissão líquida atingiu R$ 67,48 bilhões em junho — R$ 71,20 bilhões ao todo, com resgates de R$ 3,72 bilhões. Além disso, o governo gastou R$ 19,66 bilhões com juros. A expectativa do Tesouro Nacional é de que a dívida termine o ano em R$ 4,3 trilhões. 

Os maiores detentores da dívida são fundos de investimentos, com 26,85% dos recursos. Ou seja, do total de R$ 3,826 trilhões, há R$ 1,027 trilhão destinados a este tipo de aplicação. Em seguida, aparecem a Previdência (23,91%), as instituições financeiras (23,17%), os não-residentes (12,34%), o governo (4,09%) e as seguradoras (4,01%). Outros correspondem a 5,63%. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade