Publicidade

Correio Braziliense

Presidente do Banco Central dará explicações sobre a UIF no Senado

A audiência já estava marcada anteriormente para que Campos Neto falasse sobre taxa de juros


postado em 21/08/2019 19:46

(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, vai comparecer à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), na próxima terça-feira (27/8), para falar sobre o funcionamento da Unidade de Inteligência Financeira (UIF), o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), transferido do Ministério da Economia para o BC pelo presidente Jair Bolsonaro. A audiência já estava marcada anteriormente para que Campos Neto falasse sobre taxa de juros, mas ele atendeu a um pedido do presidente da CAE, senador Omar Aziz (PSD-AM), para tratar também do novo órgão da instituição.

A audiência vai ocorrer em meio a questionamentos sobre a autonomia da UIF e a blindagem da unidade contra indicações políticas. No Congresso, o novo órgão recebeu o aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que se  reuniu com Campos Neto na manhã desta quarta-feira (21/8), na residência oficial da presidência da Câmara.

"É uma decisão correta. Diferentemente do que um jornal disse hoje, não abre brecha para nomear político nenhum. Isso está errado. O Banco Central já existe. Ninguém nunca viu uma discussão de que algum político tentou nomear alguém no Banco Central", disse Maia. "Ir para o BC é a garantia de que teremos um Coaf técnico".

A UIF será responsável por gerir informações para a prevenção e o combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo, ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa, além de  promover a interlocução institucional com órgãos e entidades nacionais, estrangeiras e internacionais que tenham conexão com a matéria. O órgão incorporou os 11 conselheiros do antigo Coaf.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade