Publicidade

Correio Braziliense

Equipe econômica quer criar imposto com alíquota de 0,2% no estilo da CPMF

O ministro Paulo Guedes afirmou que a arrecadação do Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) pode chegar a R$ 150 bilhões por ano


postado em 10/09/2019 06:00 / atualizado em 10/09/2019 09:05

Paulo Guedes:
Paulo Guedes: "É feio, é chato, mas arrecadou bem e por isso durou 13 anos", disse sobre o tempo que a CPMF ficou em vigor no passado (foto: Mauro Pimentel/AFP)


O ministro da Economia, Paulo Guedes, insiste na criação de um imposto nos moldes da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Chamado pela equipe econômica de Imposto sobre Transações Financeiras (ITF), o tributo deve ter alíquota de 0,2% para saques e depósitos. Em entrevista ao jornal Valor, Guedes afirmou que a arrecadação do ITF pode chegar a R$ 150 bilhões por ano. “É feio, é chato, mas arrecadou bem e por isso durou 13 anos”, afirmou, referindo-se ao prazo em que a CPMF vigorou no país. Segundo o ministro, a criação do imposto cobriria a desoneração da folha de pagamento.

Titular da comissão especial que discute a reforma tributária da Câmara, deputado Eduardo Cury (PSDB-SP) considera a criação de uma nova CPMF “um perigo”. Para ele, é preocupante a ideia de dar ao Estado um imposto que pode ter alíquota mutável, sem que haja uma contrapartida. “A cultura brasileira é a seguinte: toda vez que surgir pressão para aumentar gastos, eles vão, na verdade, aumentar a alíquota da CPMF. Isso mata a atividade econômica”, afirmou.

Cury defende que o foco continue em corte de gastos e diminuição da carga tributária em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). “Não vejo ninguém defendendo a criação de uma nova CPMF. Esse imposto tem uma imagem muito ruim”, comentou.

Guilherme Leite, advogado tributarista, avalia como errada a intenção de criar o ITF. “Temos o problema da cumulatividade. Terá mais um tributo no preço final do produto”, disse. Para ele, o ITF ou CPMF é um tributo que pune os mais pobres. “Proporcionalmente falando, terá um peso maior para quem ganha menos”, afirmou.

Com colaboração de Alessandra Azevedo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade