Publicidade

Correio Braziliense

Cintra sobre CPMF: ''Na Argentina é usado há 20 anos com alíquota de 1,2%''

No Twitter, o ex-secretário da receita afirmou ainda que a Hungria implementou o imposto em 2014, após autorização do Banco Central Europeu


postado em 12/09/2019 17:04 / atualizado em 12/09/2019 17:31

(foto: José Cruz/Agência Brasil)
(foto: José Cruz/Agência Brasil)
O ex-secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, comparou o uso da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) em países como a Hungria e a Argentina. Segundo ele, a Hungria implementou o imposto em 2014, após autorização do Banco Central Europeu. 

Cintra destacou também a alíquota usada pela Argentina, mais alta que a sugerida por ele para o Brasi. “A Hungria teve autorização do Banco Central Europeu e introduziu o imposto em 2014. Na Argentina é usado há 20 anos com alíquota de 1,2% com excelentes resultados. Países com tradição tributária consolidada não precisam dele”, escreveu ele em sua conta oficial do Twitter. 
 
 

Marcos Cintra foi exonerado à pedido pelo ministro Paulo Guedes na última quarta-feira (11/9). A demissão veio um dia após a divulgação, pelo secretário adjunto da Receita, Marcelo de Sousa Silva, das alíquotas para um imposto sobre transações financeiras, similar à antiga CPMF. Casa saque e cada depósito em dinheiro seriam taxados com 0,40%. Já as operações de crédito e débito iriam contribuir com uma alíquota de 0,2%. 

Quem assumiu o cargo interinamente foi o auditor fiscal José de Assis Ferraz Neto. 
 
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, também se manifestou via redes sociais e parabenizou Marcos Cintra pelo trabalho à frente da Receita Federal. Segundo ele, a trajetória de Cintra como economista e político orgulha o país. 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade