Publicidade

Correio Braziliense

Estudo aponta que agosto será o 4º mês seguido com alta da arrecadação

Levantamento feito pelo Ibre/FGV mostra que arrecadação de tributos aumentou 5,6% em agosto em relação ao mesmo mês de 2018. Melhora pode permitir descontingenciamento de R$ 20 bi


postado em 14/09/2019 07:00

(foto: Kleber Sales/CB/D.A Press)
(foto: Kleber Sales/CB/D.A Press)
A arrecadação de tributos pela Receita Federal deve crescer pelo quarto mês consecutivo em agosto. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/ FGV), a alta será de 5,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, descontada a inflação. A projeção para os últimos 12 meses e para o acumulado do ano é de avanço de 0,8% e 1,9%, respectivamente.

 

De acordo com a pesquisadora do Ibre/FGV, a economista Vilma Conceição Pinto, entraram nos cofres públicos de janeiro a agosto, incluindo recursos não administrados pela Receita Federal, R$ 970,341 bilhões, o que representa um crescimento real de 2,2% ante o mesmo período de 2018. O total recolhido no período de 12 meses aumentou 1,5% e, na comparação entre agostos, a alta foi de 5,3%.

 

Essa melhora na arrecadação de forma mais consistente é um indicativo de que o descontingenciamento pode atingir os R$ 20 bilhões previstos pelo vice-presidente, Hamilton Mourão, até o fim do ano.

 

A economista explicou que, com os dados da Receita e do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), é possível notar uma melhora no Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e na Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). “Vêm crescendo acima da atividade econômica, isso pode ajudar na melhor arrecadação”, disse.

Legislação

Vilma Pinto destacou, também, que a mudança na legislação, que reduziu as compensações tributárias, contribuiu de forma positiva. “Quando avaliamos a arrecadação bruta e comparamos com a do Tesouro Nacional, que é líquida, vemos os movimentos distintos a partir dessa legislação”, afirmou.

 

Outros fatores citados por ela que podem contribuir no descontingenciamento originado da arrecadação são: antecipação do lucro e dividendos das estatais e o leilão do excedente da cessão onerosa.

 

Com os dados do Siafi, o Ibre consegue adiantar o movimento da arrecadação e do resultado primário. “Apesar de não ser o oficial, é um número que acredito ser factível. A gente já esperava algo em torno disso”, destacou.

Histórico (em R$ milhões)

Mês — Arrecadação federal total — Arrecadação administrada pela Receita Federal — Acumulado no ano

    

Janeiro — 160.426 — 150.298 — 150.298

Fevereiro — 115.062 — 112.957 — 263.255

Março — 109.854 — 107.912 — 371.166

Abril — 139.030 — 127.999 — 499.165

Maio — 110.753 — 110.753 — 609.918

Junho — 119.946 — 116.729 — 726.647

Julho — 137.735 — 127.637 — 854.285

Agosto* — 118.503 — 116.056 — 970.341

 

* estimativa do Ibre FGV   

 

Fonte: Receita Federal 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade