Publicidade

Correio Braziliense

OCDE reduz consideravelmente as previsões de crescimento para 2019 e 2020

O crescimento mundial ficará abaixo de 3% este ano. Organização prevê o menor nível desde a crise financeira de 2008/2009


postado em 19/09/2019 10:55 / atualizado em 19/09/2019 10:56

(foto: Kleber Sales/CB/D.A Press)
(foto: Kleber Sales/CB/D.A Press)
Paris, França — A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu de maneira considerável as previsões de crescimento da economia mundial para 2019 e 2020, situadas agora no menor nível desde a crise financeira de 2008/2009.

 

O crescimento mundial ficará abaixo de 3% este ano, a 2,9%, o que representa 0,3% a menos que nas previsões de maio. Em 2020 deve alcançar 3% (0,4% a menos que nas previsões de maio), anunciou a organização, que cita como principais motivos para a desaceleração do crescimento a incerteza provocada pelo Brexit, a guerra comercial e o endividamento privado.

 

A OCDE, que revisa seus dados quatro vezes ao ano, aponta que este será o menor crescimento mundial "desde a crise financeira, com riscos que continuam aumentando". De acordo com a organização, as dificuldades se acumulam para o conjunto das principais economias mundiais, sobretudo para as da Eurozona e grandes países emergentes, afetados pela desaceleração da China e a queda de suas exportações de matérias-primas.

 

A Alemanha, maior economia da Europa, sofreu uma das revisões mais significativas: o país deve crescer 0,5% este ano (-0,2%) e 0,6% em 2020. A economia dos Estados Unidos, que atravessa um dos ciclos de crescimento mais prolongados de sua história, avançará 2,4% este ano (-0,4%) e o resultado deve recuar 2% em 2020 (-0,3%).

 

Neste contexto de incertezas, a OCDE reduziu sobretudo as previsões para os países emergentes, especialmente da Índia, com um crescimento de 5,9% (-1,3%) em 2019 e de 6,3% no próximo ano (-1,1%). A situação mais crítica é a da Argentina, em plena crise econômica e financeira, que registrará este ano uma recessão de 2,7% de seu PIB e de 1,8% em 2020.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade