Publicidade

Correio Braziliense

Sindicato alerta para a possibilidade de faltar gasolina no DF

Motivos do desabastecimento não são claros. Expectativa do sindicato é que a normalidade volte na segunda-feira


postado em 20/09/2019 12:12 / atualizado em 20/09/2019 12:14

Alguns postos estão trazendo gasolina de Goiânia para evitar a falta na bomba(foto: Rafaela Gonçalves/Esp. CB/D.A Press)
Alguns postos estão trazendo gasolina de Goiânia para evitar a falta na bomba (foto: Rafaela Gonçalves/Esp. CB/D.A Press)
O Distrito Federal pode ficar sem gasolina por causa de problemas no bombeamento de dutos que abastece Brasília e Goiânia, segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do Distrito Federal (Sindicombustíveis-DF). As distribuidoras estão em adequação e os estabelecimentos de bandeira branca não irão receber combustível esta sexta-feira (20/9). Segundo presidente da entidade, Paulo Tavares, o problema estará resolvido até segunda-feira (23/8).


Tavares afirma que é possível que não falte produto nesta sexta, pois os postos ainda possuem estoque de quinta. De acordo com ele, cada distribuidora tem seu plano individual para resolver o problema. “A BR distribuidora, por exemplo, está trazendo 500 mil litros de gasolina do estoque de Goiânia para atender aos postos de sua rede”. Além disso, os postos bandeirados terão preferência para receber o produto. 


Em nota, o Sindicombustíveis ressaltou que o motivo da falta ainda não foi totalmente esclarecido. “As distribuidoras informam dados conflitantes, há versões de vazamento de duto por uma grande distribuidora”, diz em nota. “Em outra grande distribuidora a falta de produto se deve à demanda, que passou a ser maior que a oferta devido ao aumento de R$ 0,06 na gasolina feito ontem e repassado aos revendedores somado aos fatos ocorridos na Arábia”.


“É possível que os preços aumentem por conta da oferta e demanda”, explica Tavares. "Se um revendedor pediu 20 mil litros para o final de semana e recebeu apenas 10 mil litros, pode escolher entre vender tudo pelo mesmo preço e no domingo não ter nada. Ou pode aumentar a tarifa e vender os dois dias”, explica. O pedido de combustível é feito pela internet. 


Fiscalização



A Agência Nacional de Petróleo (ANP) fiscalizou os postos do Distrito Federal, quinta-feira, devido a denúncias de aumentos de preço desproporcionais. Anteriormente, na quarta-feira, o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) visitou os estabelecimentos para recolher notas fiscais dos postos que estão cobrando mais que R$ 4,22 pelo litro da gasolina, média registrada pela ANP na última semana. 


Em defesa, o Sindicombustíveis afirmou, em nota, que a alta representa “apenas a recomposição de parte da margem de lucro bruto em torno de 10% dos estabelecimentos”. Segundo o sindicato, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) instituíram margem de 15,87% de lucro bruto, “ao limitar uma grande rede de postos em Brasília em janeiro de 2016”. 


*Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade