Publicidade

Correio Braziliense

Após semana de altas, Ibovespa e dólar caem, respectivamente, 0,23% e 0,10%

Em dia marcado por tensões acerca da recente decisão do STF e das negociações comerciais entre EUA e China, o mercado financeiro se surpreendeu com o movimento de queda tanto do Dólar quanto do Ibovespa


postado em 27/09/2019 18:55 / atualizado em 27/09/2019 19:08

(foto: Marcos Santos/USP Imagens)
(foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Diante da recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que fez maioria para derrubar as decisões proferidas até hoje na Operação Lava-Jato, e de olho nas negociações comerciais entre Estados Unidos (EUA) e China, o dólar teve queda de 0,10%, e fechou a R$ 4,16, nesta sexta-feira (27/9). Já o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,23%, a 105.078 pontos, o que surpreendeu o mercado financeiro, já que o índice vinha tendo um bom desempenho ao longo da semana. 

Para especialistas e analistas do mercado, os movimentos foram influenciados também pela articulação entre o Ministério da Economia e o Congresso para aprovar a cessão onerosa e garantir o leilão de petróleo até novembro. Segundo o economista da Guide Investimentos, Victor Beirute, acredita que a questão do STF teve menos impacto no dia, e que o mercado permaneceu atento as negociações entre EUA e China. Porém, ele destacou a questão da cessão onerosa: "A aprovação da PEC da cessão onerosa e o acordo do ministro da Economia, Paulo Guedes, com os parlamentares, para acelerar a agenda de privatizações, foi bem recebida no mercado na semana. Por isso a surpresa do Ibovespa ter tido queda hoje."

De acordo com o especialista, o mercado espera um avanço em relação a agenda de reformas no país. "Precisamos de alguma coisa a mais, alguma notícia nova, principalmente em relação a aprovação das reformas (tributária e da previdência), para que a gente consiga ultrapassar a barreira dos 106 mil pontos no Ibovespa. O cenário de incerteza lá fora é grande", alegou Beirute.

O economista da BlueMetrix Ativos, Renan Silva, também se surpreendeu com a queda do dólar, pois esperava que o câmbio fosse influenciado pela decisão do STF. "A recente decisão do Supremo denota um encoxamento no combate à corrupção. O mercado esperava que isso gerasse alguma aversão ao risco, uma certa tensão com essa medida, e o dólar até poderia ter subido. Mas vimos um movimento contraditório", afirmou. 

Para ele, as preocupações acerca do Brexit, na Europa, também tiveram influência no câmbio e no Ibovespa, assim como as possíveis "represálias" vindas da Arábia Saudita após sofrer ataques relacionados ao Petróleo. Porém, o que mais teria pesado nas bolsas do mundo todo, de acordo com Silva, foi a notícia de que os EUA estudam colocar restrições para que americanos invistam na China. "O movimento de hoje da bolsa retrata o compasso de espera de todo mercado com as tantas dúvidas que estão surgindo, mas não é nada de novo. O mercado, no fundo, continua com expectativas de um Ibovespa à 120 mil pontos até o fim do ano", disse. 

* Estagiária sob supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade