Publicidade

Correio Braziliense

Alinhamento tecnológico: fintechs incentivam serviços financeiros

Aumento de bancos digitais tem estimulado empresas, como a Brinks e a TecBan, que já atuam na área, a oferecer opções para atender a uma nova forma de lidar com o dinheiro


postado em 04/10/2019 06:00

Espaço multibanco do Banco 24 Horas, da TecBan, em Parnaíba (PI), ainda em fase de projeto-piloto, opera como uma agência, mas atende várias instituições bancárias(foto: TecBan/Divulgação)
Espaço multibanco do Banco 24 Horas, da TecBan, em Parnaíba (PI), ainda em fase de projeto-piloto, opera como uma agência, mas atende várias instituições bancárias (foto: TecBan/Divulgação)
São Paulo — A proliferação de fintechs, o avanço dos meios de pagamento e a mudança nas formas de se relacionar com o dinheiro têm gerado não apenas novas experiências para a sociedade, mas oportunidades de negócios. O avanço rápido desse ecossistema, amplificado em especial pelo crescimento dos bancos digitais, é confirmado pelos números. No Brasil, já estão em funcionamento 553 fintechs, como mostra estudo divulgado no primeiro semestre pela Distrito, holding de negócios especializados em inovação. Segundo o Fintech Mining Report 2019, 231 startups voltadas a serviços financeiros abriram as portas entre 2016 e 2018.


As novas tecnologias e a oferta de outros tipos de serviços têm levado empresas já com experiência no mercado financeiro a estudar formas de aproveitar essas oportunidades. Especializada em logística e transporte de valores, a Brinks acaba de lançar uma plataforma integrada ao aplicativo dos bancos que possibilita o serviço de saque no varejo físico.

Dinheiro sem banco

Batizado de Brinks Pay, o app permite aos correntistas de bancos parceiros da empresa a utilização do smartphone para sacar dinheiro diretamente no caixa, por exemplo, de supermercados, farmácias e salões de beleza. Por meio de geolocalização, o próprio app informa o endereço dos parceiros que oferecem esse serviço e gera um QR-Code que é lido pelo equipamento operado pelo funcionário do caixa para que o saque possa ser feito.

Para a Brinks, essa é uma forma de gerar uma nova fonte de serviços, já que a empresa é remunerada pelo banco a cada operação. Além disso, o novo negócio mostra uma alternativa para a reutilização do dinheiro que entra no caixa das empresas. Em vez de o numerário ser levado por um funcionário no fim do dia até uma agência bancária ou ser retirado por funcionários com carros-fortes, como os oferecidos pela própria Brink’s, passa a ir para as mãos dos correntistas.

Já os clientes de bancos que recorrerem a esse tipo de serviço passam a ter mais alternativas às agências bancárias e aos ATMs, os caixas eletrônicos. Para o varejo, é uma forma de atrair mais clientes para dentro das lojas. Já os bancos, especialmente os digitais, que não têm agências, passam a contar com outras opções de prestadores de serviço além das atuais empresas que atuam com a operação de ATMs.

Mais serviços

O novo serviço, segundo a empresa, não significa que a Brinks pretende deixar se atuar no transporte de valores. Mas viu no crescimento dos serviços financeiros nascidos no ambiente tecnológico a oportunidade de agregar mais um braço de negócio.

“A Brinks tem buscado há muito tempo um processo de ampliação da sua oferta para o varejo e instituições financeiras, resolvendo problemas. O lançamento dessa solução é mais um movimento nessa direção. Percebemos que havia uma oportunidade existente no mercado, ligando o varejo a instituições financeiras com diferentes perfis, do tradicional ao banco digital. Especialmente com o crescimento dos bancos digitais, vimos a necessidade deles oferecerem aos clientes a alternativa do saque”, explica Gil Hipólito, diretor de Marketing e Novos Negócios.

Na primeira fase, o Brinks Pay vai oferecer apenas a opção de saque, mas o objetivo é passar a oferecer, a partir do segundo trimestre de 2020, outros serviços, como depósito, troco digital e as chamadas compras on us. Nessa modalidade, não é necessário o uso de cartões.

Desbancarizados

Segundo João Carlos Brunhera, diretor-geral da Brinks Global Payments, no Brasil, de acordo com dados de 2018 do Banco Central (BC), 29% da população economicamente ativa recebe o salário em dinheiro e cerca de quase 40% das transações no país são feitas com o uso de numerário. “Com o crescimento das fintechs, percebemos que havia uma lacuna. O brasileiro ainda precisa do dinheiro físico”, diz.

Hipólito não acredita que a novidade possa impactar nos casos de furtos e roubos no varejo por conta do aumento do dinheiro em circulação. “Haveria o receio de ter dinheiro em caixa se houvesse uma propaganda com banner na porta da loja informando sobre o serviço. Mas essa informação só será passada pelo aplicativo diretamente para o cliente do banco.”

Transporte de valores vai parar no Cade

Nas últimas semanas, tornou-se pública a disputa entre a Associação Brasileira de Transporte de Valores (ABTV), por meio de seu braço sindical, a Fenaval, e a TecBan. Em 19 de setembro, a entidade entrou com uma representação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a TBForte, pertencente a TecBan. A acusação é de concorrência desleal.

Segundo a acusação, o problema começou partir de 2014, com a expansão da TBForte, empresa de carros-forte que atendia até então apenas a rede de ATMs do Banco 24Horas. Com a expansão, também passaram a ser atendidos os bancos e as empresas de varejo. A empresa, segundo a Fenaval, estaria praticando em seus contratos valores abaixo do custo de operação

Luiz Stefani, diretor de operações e autoatendimento da TecBan, rebate a acusação. “A TBForte é pequena, não tem poder de fogo. Estamos falando da queixa de três empresas que detêm 80% do mercado. Eles têm problema em lidar com a concorrência. Nós queremos justamente gerar concorrência.”

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade