Publicidade

Correio Braziliense

Inflação da 3ª idade fica em 0,48% no terceiro trimestre de 2019, diz FGV

A cesta das famílias com presença majoritária de pessoas acima de 60 anos registrou variação de 0,48%. Mais da metade das classes de despesas registraram decréscimo


postado em 11/10/2019 11:28 / atualizado em 11/10/2019 11:29

(foto: Acácio Pinheiro/CB/D.A Press)
(foto: Acácio Pinheiro/CB/D.A Press)
A variação da cesta de consumo de famílias compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade registrou variação de 0,48%, no terceiro trimestre de 2019, segundo divulgou a Fundação Getúlio Vargas (FGV), nesta sexta-feira (11/10). O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) acumula alta de 3,78% em 12 meses. O resultado é maior do que a taxa acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que foi de 3,51%, no mesmo período.

A redução da taxa do IPC-3i entre o segundo trimestre para o terceiro trimestre de 2019 foi de 0,49 ponto percentual, passando de 0,97% para 0,48%. 

Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo alimentação, cuja taxa passou de 0,02% para -1,76%. O item que mais influenciou o comportamento desta classe de despesa foi hortaliças e legumes, que variou de -22,26 no terceiro trimestre, ante 3,45%, no anterior.

Outros cinco grupo de despesas contribuíram para o decréscimo da taxa do IPC-3i: Saúde e cuidados pessoais (2,05% para 1,01%), Transportes (0,77% para -0,37%), Educação, leitura e recreação (1,90% para -0,34%), Vestuário (2,09% para -0,59%) e Despesas diversas (0,68% para 0,34%). 

Vale destacar o comportamento dos itens medicamentos em geral (3,11% para 0,33%), gasolina (2,02% para -2,58%), passagem aérea (12,77% para -10,75%), roupas (2,29% para -0,74%) e bilhete lotérico (31,63% para 0%).

Os grupos que apresentaram avanço em suas taxas de variação foi Habitação (0,79% para 2,14%) e Comunicação (0,13% para 1,07%). Nestas classes de despesa, vale citar os itens: tarifa de eletricidade residencial (0,18% para 9,49%) e tarifa de telefone residencial (-0,20% para 1,73%).

*Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade