Publicidade

Correio Braziliense

Guedes cancela encontro no FMI por causa 'prioridades' no Brasil

De acordo com interlocutores do ministro, ele preferiu ficar em Brasília para cuidar do que tem sido chamado na pasta de "agenda de transformação do Estado"


postado em 16/10/2019 14:55 / atualizado em 16/10/2019 14:57

A permanência do ministro na capital federal seria uma demonstração de que ele está empenhado que a reforma da Previdência seja aprovada(foto: Mandel Ngan/AFP)
A permanência do ministro na capital federal seria uma demonstração de que ele está empenhado que a reforma da Previdência seja aprovada (foto: Mandel Ngan/AFP)
O ministro da Economia, Paulo Guedes, desistiu de ir aos Estados Unidos para a reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI), que ocorre nesta semana em Washington. Ele afirmou nesta quarta-feira (16/10), que sua desistência de participar do encontro ocorreu em função de "prioridades aqui", no Brasil.

Questionado por jornalistas se essas prioridades estariam relacionadas ao "pós-reforma da Previdência", Guedes confirmou que este era o motivo.

O ministro e o presidente da República, Jair Bolsonaro, participaram na manhã desta quarta de evento de assinatura da Medida Provisória (MP) do Contribuinte Legal.

O objetivo do texto é estimular a regularização e resolução de conflitos fiscais entre a Administração Tributária Federal e os contribuintes com débitos junto à União, regulamentando o instituto da "transação tributária", prevista no Art. 171 do Código Tributário Nacional.

De acordo com interlocutores do ministro, ele preferiu ficar em Brasília para cuidar do que tem sido chamado na pasta de "agenda de transformação do Estado". A permanência do ministro na capital federal seria uma demonstração de que ele está empenhado no acerto político para a apresentação de novas medidas, como o pacto federativo e a reforma administrativa, tão logo a reforma da Previdência seja aprovada.

Na terça-feira, Guedes se reuniu com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e, nesta quarta, terá reunião com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para tratar desta agenda.

Ainda nesta semana, o ministro também deve se encontrar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com bancadas de partidos no Congresso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade