Publicidade

Correio Braziliense

São Paulo é o único estado que teve redução do desemprego no 3° trimestre

Pelos dados divulgados pelo PNAD - Contínua nesta terça-feira (19/11) apenas no estado de Rondônia o desemprego teve crescimento


postado em 19/11/2019 12:09

Mesmo com a queda de 0,2% na taxa de desocupação do Brasil, no terceiro trimestre do ano ainda havia 12,5 milhões de pessoas em busca de trabalho(foto: Arquivo/Agência Brasil)
Mesmo com a queda de 0,2% na taxa de desocupação do Brasil, no terceiro trimestre do ano ainda havia 12,5 milhões de pessoas em busca de trabalho (foto: Arquivo/Agência Brasil)
Apesar da taxa de desocupação do país no terceiro trimestre de 2019 cair para 11,8%, após ficar em 12% no trimestre anterior, São Paulo foi o único estado em que essa mesma taxa recuou. Depois de registrar 12,8% de desocupados no segundo trimestre deste ano, a taxa de desemprego do estado do Sudeste do país caiu para 12% nos últimos três meses. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta terça-feira (19/11) pelo IBGE.

Enquanto isso, Rondônia foi o único em que o desemprego cresceu. Com uma alta de 1,5 ponto percentual, a taxa atingiu 8,2%. Nos demais estados, a taxa de desocupação se manteve estável. Em comparação com o mesmo período do ano passado, Sergipe foi o estado que apresentou a mais queda percentual. A taxa de desocupação recuou em 2,8%. 

Já do outro lado, Mato Grosso e Goiás tiveram as maiores altas quando se compara o terceiro trimestre de 2018 com o mesmo período de 2019. O Distrito Federal também teve um aumento de 0,6% na taxa. 

Cerca de 459 mil pessoas conseguiram uma ocupação no terceiro trimestre, que se encerrou em setembro. Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, a população ocupada foi puxada pela informalidade. A geração de empregos é explicada, em grande parte, por categorias ligadas à informalidade. Houve aumento de 2,9% no emprego sem carteira no setor privado, que chegou a 11,8% de empregados. 

Mesmo com a queda de 0,2% na taxa de desocupação do Brasil, no terceiro trimestre do ano ainda havia 12,5 milhões de pessoas em busca de trabalho. 25,2% destes desempregados buscam por um emprego há dois anos ou mais no Brasil.

Taxa de desocupação é maior para mulheres 

Ao analisar o recorte de gênero, é possível notar que as mulheres têm uma taxa maior de desocupação (13,9%), do que a dos homens (10%). O percentual de mulheres desocupadas na população é maior que o de homens em todas as cinco regiões do país.

No Centro-Oeste, as mulheres atingem o maior percentual de desocupadas da população. Elas são 54,8% das pessoas desocupadas na região. No Brasil, as mulheres representaram 53,3% da população desocupada no terceiro trimestre de 2019. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade