Publicidade

Correio Braziliense

Em bom momento comercial, Azul investe em mais aviões e rotas

A Azul anunciou que pretende manter investimento anual de R$ 6 bilhões, até 2022, aumentando a frota de aeronaves e expandindo suas rotas no Brasil e no exterior


postado em 11/12/2019 06:00 / atualizado em 11/12/2019 01:40

(foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)
(foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press)
O CEO da Azul, John Rodgerson, afirmou que a companhia aérea pretende manter investimento anual de R$ 6 bilhões nos próximos dois ou três anos para continuar sua trajetória de expansão no Brasil. Para 2020, a empresa, conforme o executivo, quer quebrar novos recordes com a adição de mais aeronaves em sua frota e inaugurar entre seis e oito novas cidades, sendo que uma das rotas inéditas será para o exterior.

Com cerca de 28 milhões de clientes transportados ao fim deste ano, o objetivo da Azul é ultrapassar a marca de 30 milhões em 2020. “Temos 31 novas aeronaves chegando. Vamos receber duas por mês pelo menos. Cada aeronave tem mais assentos e vai permitir a Azul voar mais horas por dia. Com mais poltronas, teremos muito mais oferta no Brasil, que precisa, pois foram muitos anos sem muita oferta”, avaliou Rodgerson, em conversa com a imprensa, na tarde desta terça-feira (10/12).

A Azul deve alcançar, de acordo com o executivo, quase mil voos por dia em dezembro. Ele lembrou, que no auge, a Varig tinha 250 voos diários. Com mais voos, a empresa, conforme Rodgerson, seguirá contratando mais no próximo ano. Em 2019, foram 2 mil novas pessoas, sendo 800 ex-funcionários da Avianca, em recuperação judicial.

Durante encontro de fim de ano com jornalistas, o presidente da Azul lamentou o fato de a companhia não ter conseguido comprar a concorrente Avianca, que deixou de operar no Brasil. “Temos uma grande tristeza em relação à Avianca. Depois de não termos conseguido comprá-la, contratamos 800 dos funcionários da Avianca, que perderam emprego e não era culpa deles, e entramos na ponte aérea”, relembrou o CEO da Azul.

Segundo o executivo, o foco da Azul é doméstico. “Há muitos brasileiros que já foram para Miami e não conhecem Foz do Iguaçu. É uma vergonha. Queremos mudar isso. Nosso foco é doméstico. É o Brasil”, ressaltou Rodgerson, acrescentando que a companhia que aproveitar o atual momento do Brasil. “Queremos ajudar o Brasil a decolar”, acrescentou.

Ele destacou ainda que a Azul deve investir mais de R$ 120 milhões em seu novo hangar, que será o maior da América Latina e contará com 800 pessoas trabalhando no local. A expectativa, conforme o CEO da companhia, é de que o novo espaço fique pronto no primeiro trimestre de 2020.

Sobre a oferta de wi-fi nos voos da Azul, Rodgerson disse que a empresa vai testar o serviço hoje em um voo comercial. A partir do ano que vem, segundo ele, as aeronaves já sairão de fábrica com o serviço de wi-fi a bordo. Os executivos da Azul não disseram, contudo, o preço que será cobrado dos clientes pelo uso do serviço de internet móvel.

Parceria com a TAP 

A Azul espera iniciar a joint venture com a portuguesa TAP em cerca de seis meses, de acordo com o vice-presidente de receitas da Azul, Abhi Shah. O tema foi aprovado na segunda-feira pelo Conselho de Administração da companhia, conforme ele, e agora será iniciado o trabalho junto aos órgãos reguladores para tirar do papel a parceria que visa a operar entre Brasil e Europa.

“Agora começa o trabalho junto aos órgãos reguladores, como o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para conseguirmos todas as aprovações para a joint venture. Esperamos que em cerca de seis meses possamos começar”, explicou Shah, também no encontro de fim de ano com a imprensa.

De acordo com ele, com o início da operação da parceria com a TAP, o objetivo da Azul é permitir que seus clientes, seja voando em suas aeronaves ou nas da portuguesa, não sintam qualquer diferença. “Nosso foco é aumentar parcerias e dar mais conectividade aos nossos clientes no Brasil e fora daqui”, ressaltou Shah, citando ainda a parceria que a companhia aérea tem com a United.

A Azul anunciou a joint venture com a TAP no mês passado, mas a relação não vem de hoje. Recentemente, ambas estreitaram mais a relação. Em março, a empresa e seu fundador, o empresário David Neeleman, reforçaram o capital da TAP ao adquirirem os 20% de participação que o conglomerado chinês HNA detinha na Atlantic Gateway (dona de 45% da TAP). No passado, a Azul adquiriu bonds (dívidas) conversíveis da empresa. Somando esses dois investimentos, a brasileira detém 47,3% dos direitos econômicos da TAP.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade