Publicidade

Correio Braziliense

Queda de juros vai impactar na formação da poupança do servidor público

Em entrevista ao CB.Poder, o presidente da Funpresp, Ricardo Pena, conversou sobre o impacto da reforma da Previdência para os servidores públicos


postado em 11/12/2019 16:08 / atualizado em 12/12/2019 12:48

Ricardo Pena, presidente da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp)(foto: Reprodução/TV Brasília)
Ricardo Pena, presidente da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp) (foto: Reprodução/TV Brasília)
O presidente da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp), Ricardo Pena, afirmou que a queda de juros vai impactar na formação de poupança dos servidores públicos, que vão demorar mais tempo para formar montante rentável. A alternativa é apostar em riscos maiores com maior rentabilidade do capital, conforme defendeu Pena, nesta quarta feira (11/12), durante o programa CB.Poder — parceria do Correio com a TV Brasília.

Ele afirmou que foram feitas campanhas educativas para mostrar o que servidor vai estar perdendo, se ele optar por não entrar no fundo, que visa complementar a aposentadoria. Pena é professor do Centro Universitário do Distrito Federal – UDF, da Fundação Getúlio Vargas – FGV. "Ele pode optar pelo fundo privado, mas ele não tem a contrapartida que o órgão oferece. Ele tem na Funpresp que pagar 8% do salário dele e o órgão público dele faz a contrapartida de até 8,5%." 

Segundo o presidente, isso ajuda a formar uma reserva maior para o servidor, porém, ele pode optar por não participar, e ir para o fundo privado. "Aí, ele vai perder consideravelmente uma contribuição que é importante para ele”, afirma. De acordo com dados presentes no site da fundação, existem, até novembro deste ano, 91.701 servidores públicos participando do Funpresp, R$ 2,22 bilhões de patrimônio e 10% de rentabilidade em 12 meses para os que aderir ao fundo.

Confira a entrevista na íntegra




* Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade