Publicidade

Correio Braziliense

Petrobras anuncia queda do preço dos combustíveis nas refinarias

A gasolina não sofria um reajuste desde 1º de dezembro, já o diesel tinha valor estável desde 21 de dezembro, quando houve um aumento de 3%


postado em 13/01/2020 19:34 / atualizado em 13/01/2020 19:35

(foto: Gabriel Pinheiro/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Gabriel Pinheiro/Esp. CB/D.A Press)
A Petrobras anunciou, nesta segunda-feira (13/1), a queda do preço da gasolina e do diesel, puxada pela redução no mercado internacional desde a semana passada, com o recuo das tensões entre os Estados Unidos e o Irã. A partir de amanhã, o preço médio será reduzido em 3% nas refinarias da estatal. O litro do diesel S500 ficou R$ 0,061 mais barato, em média; e o do diesel S10, R$ 0,0808.

A gasolina não sofria um reajuste desde 1º de dezembro, já o diesel tinha valor estável desde 21 de dezembro, quando houve um aumento de 3%. Nos preços da gasolina, o último aumento foi de 4%, em 27 de novembro. A petroleira tem reiterado que a política de preços para a gasolina e o diesel seguem o princípio da paridade de importação, composta pela cotação internacional dos produtos, adicionado aos custos de importadores, como transporte e taxas portuárias, além do impacto do câmbio.

O anúncio ocorreu no mesmo dia em que dólar comercial registrou a maior alta em mais de dois meses, cotado a R$ 4,142, e após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que não faria intervenções na política de preços da estatal.

Apesar da alta recente do dólar, o economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) Fábio Bentes enfatiza que o reflexo não é repassado diariamente. "Pela via do câmbio, não preocupa tanto  porque o governo tem bastante munição para neutralizar. Embora o dólar tenha começado a semana bastante pressionado, não significa que, nos próximos dias, haverá repasse da alta para os preços finais. O que preocupa mais é o preço internacional do barril de petróleo, que parece que esfriou um pouco”, afirmou.

Bentes destaca a preocupação do governo em blindar os demais preços do reajuste dos combustíveis. "Diante do aumento recente taxa de câmbio e o preço petróleo na crise internacional, qualquer recurso nas refinarias ajuda a não espalhar a inflação para produtos que não são diretamente afetados pelo preço do combustível. Isso não vai fazer que a inflação freie, mas rever esse valor acaba ajudando", disse o economista, que considera as medidas de tributação um amortecedor para variações mais fortes da taxa de câmbio.

O repasse do reajuste nas refinarias para o preço que chegará às bombas para o consumidor depende de outras variáveis, como impostos, margens de distribuição, revenda e mistura de biocombustíveis.

 

*Estagiária sob supervisão de Vicente Nunes

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade