Publicidade

Correio Braziliense

EUA e China assinam acordo comercial histórico

Segundo Donald Trump, a China se comprometeu a aumentar as importações de produtos americanos


postado em 15/01/2020 16:31

Em cerimônia na Casa Branca, o presidente americano, Donald Trump, e o vice-premiê da China, Liu He, assinaram o acordo nesta quarta-feira (15/1)(foto: Mark Wilson/AFP)
Em cerimônia na Casa Branca, o presidente americano, Donald Trump, e o vice-premiê da China, Liu He, assinaram o acordo nesta quarta-feira (15/1) (foto: Mark Wilson/AFP)
O presidente americano, Donald Trump, e o vice-premiê da China, Liu He, assinaram nesta quarta-feira (15/1), em uma cerimônia na Casa Branca no início da tarde, a primeira fase do acordo comercial esperado pelos mercados internacionais há meses.  

Segundo Trump, a China se comprometeu a aumentar as importações de produtos americanos. “Eles entendem que é preciso haver uma certa reciprocidade na relação comercial”, disse. 

China - O compromisso chinês prevê incremento de cerca de US$ 200 bilhões adicionais em importações de produtos americanos, sendo US$ 75 bilhões em produtos manufaturados em dois anos. Deve have, ainda, aumento das compras de produtos agrícolas americanos em valores estimados entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões, no mesmo período. Os chineses também se comprometeram a aumentar a segurança com relação ás tecnologias. 

Estados Unidos - Por outro lado, o governo americano se comprometeu a reduzir as tarifas impostas às importações de produtos chineses, mas prometeram adotar punições extras, caso os chineses descumpram o acordo. Detalhes do acordo ainda não foram divulgados. 

Trump disse que espera concluir o acordo já na segunda fase, cuja data ainda não foi divulgada, sem precisar de uma terceira rodada de negociação, conforme previsto anteriormente.

Os Estados Unidos começaram a aumentar as tarifas de importações dos produtos chineses em 2018. Em retaliação, os chineses desvalorizaram a moeda chinesa, o que deu início a uma guerra comercial que escalou a imposição de tarifas de comércio. Os Estados Unidos chegaram a impor tarifas que afetaram US$ 360 bilhões em importações de produtos chineses.

A disputa comercial afetou bolsa de valores e cotação da moeda americana em vários mercados, durante meses. Analistas avaliam que a disputa entre os dois países ganhou contorno comerciais mas encobre, na realidade, uma forte disputa geopolítica que envolve, principalmente, o domínio dos mercados com relação a tecnologias, como o 5G.

Em dezembro, os Estados Unidos reduziram de 15% para 7,5% as sobretaxas impostas sobre US$ 110 bilhões em importações chinesas e anunciaram que iriam começar a negociar um acordo com os chineses, o que acalmou os mercados mundiais. Seguem aplicadas, porém, tarifas americanas de 25% sobre US$ 250 bilhões em compras de produtos chineses para o mercado americano. 

Com eleições marcadas para este ano, quando tenta a reeleição, Trump vinha sendo pressionado pelo setor rural, que cobrava solução para as retaliações impostas pelos chineses nos embarques americanos de produtos agrícolas, cujas exportações caíram pela metade. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade