Publicidade

Correio Braziliense

Para subsecretária, micro empreendedorismo é a saída para o Brasil

Em entrevista ao CB.Poder, a subsecretária do Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Juliana Natrielli, debateu sobre a situação do setor no país


postado em 22/01/2020 16:05 / atualizado em 22/01/2020 20:19

''Quem gera de riqueza e emprego não é o governo, é quem trabalha, produz e empreende'', afirmou a subsecretária(foto: Vinicius Cardoso/Esp.CB/D.A Press)
''Quem gera de riqueza e emprego não é o governo, é quem trabalha, produz e empreende'', afirmou a subsecretária (foto: Vinicius Cardoso/Esp.CB/D.A Press)
A subsecretária Juliana Natrielli, da Subsecretaria de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas do Ministério da Economia, afirmou que o micro empreendedorismo é a saída para o Brasil em entrevista, nesta quarta-feira (22/1), ao CB.Poder, uma parceria do Correio Braziliense com a TV Brasília. "Quem gera de riqueza e emprego não é o governo, é quem trabalha, produz e empreende."

A subsecretária disse que, até o fim do ano passado, 80% das novas vagas de emprego estavam na categoria das micro e pequenas empresas. "É possível ver a importância delas nessa retomada econômica. As pessoas têm empreendido mais e acredita-se que pela crise que a gente vem sofrendo nos últimos anos, foi um caminho encontrado por muitas pessoas", afirma Natrielli. 

De acordo com ela, a maior parte dos empregos gerados foi na região Sul e Nordeste. "Essas microempresas estão ficando cada vez mais pulverizadas." Apesar de não existirem dados separados por atividade, ela conta que as inscrições para microempreendedores individuais tiveram como a principal atividade a de cabeleireiro. 

O Congresso aprovou, no ano passado, a inclusão dos motoristas de aplicativo para poder atuar como microempreendedores individuais. Segundo a subsecretária, em três meses, houve um crescimento com mais de 20 mil autônomos como motorista de aplicativo. "São importantes essas alternativas para os brasileiros que estavam sem nenhuma opção de renda. Essas novas tecnologias vieram para dar emprego, hoje elas são na verdade uma das principais fontes de geração de renda que temos."

Sobre o vínculo empregatício desse tipo de atividade, Natrielli pensa que essa é uma boa alternativa em um cenário de retomada da economia e volta dos níveis de emprego. "As pessoas querem ter isso e conseguem sobreviver de forma digna com o trabalho, gerando renda para suas famílias, existem pessoas que ganham mais hoje dessa forma do que eles ganhavam em seus empregos", afirmou. 

Natrielli elencou as vantagens que estão disponíveis hoje em dia para o trabalhador autônomo ou empreendedor de micro e pequenas empresas. "Ele não tem horário, tem os seus direitos trabalhistas resguardados, pelo menos em relação aos previdenciários ele está garantido. Então a gente dá mais uma segurança, ele não está totalmente desamparado."

*Estagiário sob supervisão de Vicente Nunes

Confira entrevista na íntegra



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade