Publicidade

Correio Braziliense

Preço da carne dá um alívio e IPCA-15 fecha em 0,71%

Desaceleração do preço das carnes levou o indicador, considerado uma prévia da inflação, a registrar, em janeiro, variação menor do que em dezembro. Mesmo assim, o resultado foi o mais elevado para o mês desde 2016


postado em 24/01/2020 06:00

Grandes consumidores de carne, Alex e Vancy Loyola acharam muito pequeno o alívio no valor cobrado pelo produto:
Grandes consumidores de carne, Alex e Vancy Loyola acharam muito pequeno o alívio no valor cobrado pelo produto: "Não está no patamar de antes" (foto: Gabriel Pinheiro/Esp.CB/D.A Press)
Com menor pressão dos preços da carne, o custo de vida deu mostras de desaceleração em janeiro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial, teve alta de 0,71%, um recuo de 0,34 ponto percentual em relação à taxa de 1,05% registrada em dezembro. Mesmo assim, foi o maior resultado para janeiro desde 2016. Em 12 meses, o IPCA-15 acumulou variação de 4,34%, superior aos 3,91% registrados até o mês anterior.

De acordo com Eduardo Velho, economista-chefe da INVX Global Partners, o resultado, anunciado nesta quinta-feira (23/1) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou dentro das expectativas do mercado. “A inflação, em 2020, deve permanecer comportada, abaixo de 4%”, prevê. Segundo o economista, após o choque dos preços da carne, a perspectiva é de que “o Banco Central deve fazer mais dois cortes na Taxa Básica de Juros (Selic)”, atualmente em 4,50% ao mês. “A grande dúvida hoje é sobre a economia americana e a relação dos Estados Unidos com China e Irã. No mercado interno, não vejo mudanças bruscas”, destacou.

Sete dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE de 12 de dezembro de 2019 a 14 de janeiro de 2020 apresentaram alta. A maior variação ficou com o grupo da alimentação e bebidas (1,83%), embora tenha sido registrada desaceleração em relação ao mês passado, quando o incremento foi de 2,59%. A segunda maior contribuição veio dos transportes com 0,92% — próxima à registrada em dezembro, de 0,90%. Segundo o IBGE, a desaceleração em alimentação e bebidas é explicada principalmente pelo resultado da alimentação no domicílio, que teve alta menor que em dezembro (2,30% ante 3,62%).

As carnes, que apresentavam elevação de 17,71% no último mês de 2019, ainda subiram em janeiro, mas bem menos: 4,83%, em média. Ainda assim, o item deu a maior contribuição individual ao IPCA-15. O casal, Vancy e Alex Loyola, 35 e 44 anos, faz compra todos os meses e acompanha o comportamento dos preços no supermercado e reclama. “Achei essa diminuição do preço muito pouca. Ainda não está no patamar de antes. Adoramos assar carnes para fazer churrasco em casa. Gostamos de comer bem”, disse Vancy.

Riezo Silva Almeida, coordenador do curso de ciências econômicas do Centro Universitário Iesb, lembrou que a demanda da China por carne bovina elevou o preço do produto e o consumidor reagiu. “Ele (consumidor) migrou para outros tipos de bens substitutos, e com isso a carne começou a desacelerar. Houve mais oferta no mercado interno e a demanda diminuiu”, explicou. A tendência nos próximos meses é de que o preço da carne continue desacelerando, segundo Almeida. “Mas existe a possibilidade de o consumo aumentar por causa da volta às aulas”, alertou.

No grupo dos transportes, a gasolina, que já havia subido 1,49% em dezembro, apresentou alta de 2,64% em janeiro e contribuiu com o segundo maior impacto individual no índice. A boa notícia veio das passagens aéreas, que recuaram 6,45%, depois de subir 15,63% em dezembro.

* Estagiário sob a supervisão de Odail Figueiredo

Preço da gasolina cai nas refinarias

A Petrobras reduziu os preços da gasolina em 1,5%, em média, nas suas refinarias. A queda do óleo diesel foi de 4,1%. Já o diesel marítimo ficou 4,3% mais barato, informou a estatal por meio da assessoria de imprensa. O preço do diesel S500 para as termelétricas foi reduzido em 4,5% e o S10, em 4,2%. As mudanças valem a partir de hoje. Os preços dos combustíveis vêm sendo um dos principais itens de pressão nos indicadores de inflação. A alta vinha também estimulando empresas do setor a importar o produto. Com a redução no preço cobrado nas refinarias, porém, a estatal acabou com qualquer oportunidade de importação por terceiros, segundo o presidente da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade