Economia

Mercado s/a

A Petrobras acaba fornecendo o gás a preços abaixo de mercado à White Martins, causando um prejuízo anual milionário aos acionistas da petroleira

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 27/01/2020 04:33
A Petrobras acaba fornecendo o gás a preços abaixo de mercado à White Martins, causando um prejuízo anual milionário aos acionistas da petroleira

Sem gás para fiscalizar

Um consórcio formado entre a Petrobras e a White Martins para vender gás natural está operando desde 2004 de maneira considerada irregular pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Justiça, mas nenhuma dessas duas instituições consegue bloquear a operação. O consórcio se chama Gemini e oferece gás natural a grandes clientes industriais de estados como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, além do Distrito Federal. A questão é que, pelo contrato, a Petrobras acaba fornecendo o gás a preços abaixo de mercado à White Martins, causando um prejuízo anual milionário aos acionistas da petroleira. O Cade já proferiu três decisões restritivas às operações do Gemini ; em 2006, 2015 e 2017 ;, mas não intervém no consórcio nem toma outras providências que pudessem estancar o problema. E mais: a multa diária por descumprimento da determinação aplicada pelo Cade na última decisão foi suspensa porque o órgão não consegue fiscalizar o cumprimento da medida que proferiu.

Cervejas artesanais sofrem com crise da Backer

A crise gerada pela contaminação de vários lotes da cervejaria Backer causará estragos no mercado artesanal. Os especialistas consideram que os danos serão severos. Antes do episódio, a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) calculava que o segmento poderia alcançar em breve algo como 10% das vendas totais de cerveja no país. Depois da Backer, é pouco provável que a marca seja alcançada tão cedo. Atualmente, as artesanais respondem por 3% do mercado nacional.



85%

das empresas brasileiras não estão preparadas para a Lei-Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entra em vigor a partir de 20 de agosto. A pesquisa é da Serasa Experian







Alarmistas erram previsões obre reforma trabalhista

Quando a reforma trabalhista foi aprovada, em 2017, os alarmistas disseram que as novas regras levariam as empresas a trocarem os empregos com carteira assinada pela nova modalidade de trabalho intermitente e que isso provocaria uma onda de precarização. Na semana passada, o Ministério da Economia informou que a abertura de postos com carteira assinada no país teve em 2019 o melhor desempenho em seis anos. Detalhe: os trabalhos intermitentes representaram apenas 13,3% do total de vagas abertas.



Apple planeja lançar iPhone mais barato

A Apple vai enfrentar as fabricantes chinesas de celulares usando a mesma estratégia dos rivais: preços baixos. Em março, a empresa da maçã deverá começar a produzir a versão mais em conta de seu iPhone, segundo notícia revelada por sites especializados em tecnologia. A ideia é lançar um aparelho que custe em torno de US$ 400, a mesma faixa de preço de celulares de entrada das marcas Huawei e Xiaomi. A sul-coreana Samsung continua na liderança folgada do setor.


Rapidinhas

; A China pode ter aberto as portas para o capitalismo, mas a liberdade de expressão é um valor raro no país. O aplicativo de mensagens WeChat, um dos maiores do mundo, proibiu os usuários de fazerem qualquer menção ao coronavírus. Quem descumprir a determinação será banido. A censura foi anunciada no fim de semana.

; Os chineses estão preocupados com os estragos econômicos que o coronavírus possa provocar. Se a velocidade de progressão da doença avançar, é certo que o consumo das famílias vai diminuir, o que afetará o PIB. No vizinho Japão, o temor é com a realização da Olimpíada, programada para julho. O governo japonês espera receber 40 milhões de turistas estrangeiros em 2020, um recorde.

; Poucos negócios são tão promissores no Brasil quanto o de produtos naturais. O setor movimenta por ano US$ 35 bilhões (ou o dobro de três anos atrás), o suficiente para alçar o mercado brasileiro à condição de quarto maior do mundo. Segundo projeções, até 2025, o segmento deverá crescer 6% ao ano.

; A Waymo, companhia de tecnologia que pertence à Alphabet, holding do Google, vai começar a testar caminhões autônomos nas estradas do Texas e Novo México, nos Estados Unidos. Desde que foi fundada, há uma década, a empresa já percorreu 32,2 milhões de quilômetros em testes com carros autônomos.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação