Publicidade

Correio Braziliense

Em média, 10 servidores do INSS se aposentaram por dia em 2020

Por volta de 2 milhões de requerimentos de benefícios estão pendentes para análise


postado em 27/01/2020 16:30 / atualizado em 27/01/2020 17:39

O governo anunciou, em 14 de janeiro, medidas para conter a fila do INSS(foto: Arquivo/Agência Brasil)
O governo anunciou, em 14 de janeiro, medidas para conter a fila do INSS (foto: Arquivo/Agência Brasil)
Nos primeiros 24 dias do ano, 228 servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) se aposentaram, uma média de praticamente 10 por dia. Esse é o número de pedidos oficializados em 2020, mas que podem ter sido feitos ainda no fim do ano passado. Enquanto o quadro de pessoal não é atualizado, quase 2 milhões de requerimentos de benefícios estão pendentes de análise.

Há pelo menos cinco anos, entidades representativas da categoria reclamam da falta de concursos para repor os mais de 10 mil servidores que se aposentaram desde 2017. Só em 2019, foram 6,3 mil -- 17 por dia, em média. O quadro atual conta com 22,5 mil funcionários.

A autarquia alega que a análise dos pedidos tem diminuído com o aumento da produtividade dos servidores, incentivados com bônus por trabalho extra, e pela digitalização do sistema. No ano passado, 1 milhão de benefícios foram concedidos automaticamente, sem necessidade da participação de funcionários.

O governo anunciou, em 14 de janeiro, medidas para conter a fila do INSS. As estratégias incluem reforçar o quadro de pessoal com até 7 mil militares da reserva e diminuir a burocracia nas agências. O custo será de R$ 87 milhões ao longo dos seis meses de duração da força-tarefa — R$ 14,5 milhões por mês, pelas estimativas do Ministério da Economia.

Outras alternativas têm sido estudadas, como a contratação de ex-servidores do INSS, que já têm experiência na área. Mas, como esse tipo de contrato não está previsto em lei, o governo precisaria editar uma medida provisória ou um projeto de lei para autorizá-la. No caso dos militares, já existe previsão legal. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade