Publicidade

Correio Braziliense

Governador do ES alfineta Bolsonaro: ''Ele fica com 70% da arrecadação''

Em Brasília para se reunir com outros governadores, Renato Casagrande, disse que cabe ao governo federal propor uma forma de reduzir o preço dos combustíveis


postado em 11/02/2020 10:23 / atualizado em 11/02/2020 12:58

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Dezenove governadores e três vice-governadores se reúnem, nesta terça-feira (11/2), em Brasília, para discutir temas de interesse dos estados e do Distrito Federal, tais como pacto federativo, novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), fundo de segurança nacional e impostos sobre os combustíveis.

Esse último ponto, por sinal, deve dominar a pauta da reunião, por conta do "desafio" que o presidente Jair Bolsonaro fez na semana passada aos governadores, propondo que eles zerassem o ICMS para reduzir o preço final da gasolina e do óleo diesel ao consumidor.

Os governadores e os secretários estaduais da Fazenda já se manifestaram contra a proposta de Bolsonaro. Eles argumentam que o ICMS dos Combustíveis corresponde a 20% de tudo que os estados arrecadam com o ICMS e, por isso, não poderia ser renunciado de uma hora para outra como propôs Bolsonaro. O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), disse, na ocasião, não ter "fábrica de dinheiro".


Debate mais aprofundado

Nesta terça-feira, os governadores devem, portanto, elaborar uma posição formal sobre o assunto. "O debate virá porque houve um intenso debate nas redes sociais, e esse debate foi muito superficial, superficial de uma forma que não orienta a sociedade. Precisamos colocar o assunto na posição que ele merece. Isso deve ser chamado de forma equilibrada", defendeu o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB).

Casagrande lamentou, como já havia feito o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que nem o presidente Bolsonaro, nem o ministro da Economia, Paulo Guedes, chamaram os estados para discutir o assunto ainda.

"Se o governo quer de fato tratar do ICMS dos combustíveis, é bom que o ministro Paulo Guedes converse com os governadores sobre esse tema, porque o governo federal detém, o presidente Jair Bolsonaro fica com quase 70% de toda a arrecadação do Brasil. Então, quem tem de ter o protagonismo de apresentar alguma proposta sobre os combustíveis é o próprio presidente, é o governo federal", provocou Casagrande.

Veja a lista de presentes:

AC - Gladson Cameli
AL- Renan Filho
AM – Wilson Lima
AP- Waldez Goes
BA – Rui Costa
CE - Camilo Santana
DF - Ibaneis Rocha
ES - Renato  Casagrande
GO – Ronaldo Caiado
MA – Carlos Brandão - (vice-governador)
MG – Paulo Brant - (vice-governador)
MS - Reinaldo Azambuja
MT – Mauro   Mendes
PB - João   Azevêdo
PI - Wellington Dias
PR – Ratinho Junior
RJ - Wilson Witzel
RN - Fátima Bezerra
RO – Coronel Marcos Rocha
RR - Antonio   Denarium
SC - Comandante    Moisés
TO – Wanderlei Barbosa - (vice-governador) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade