Publicidade

Correio Braziliense

Ibaneis sugere que Bolsonaro não entende de economia e chama Guedes para debater combustíveis

Governadores os estados brasileiros chamaram o ministro da Economia para discutir o preço dos combustíveis. ''Vamos dar nosso recado via Guedes'', frisou Ibaneis.


postado em 11/02/2020 12:48 / atualizado em 11/02/2020 13:44

Ibaneis fez críticas ao modo com que Bolsonaro vem tratando o preço dos combustíveis(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Ibaneis fez críticas ao modo com que Bolsonaro vem tratando o preço dos combustíveis (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O ministro da Economia Paulo Guedes alterou a agenda que estava prevista para esta terça-feira (11/2) e se dirigiu para o Fórum dos Governadores, que acontece na sede do Banco do Brasil, em Brasília. Guedes atendeu a um pedido dos representantes estaduais, que querem debater a proposta, feita na semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro, de zerar os impostos sobre os combustíveis.

 

"Vamos tratar isso com o ministro, que é quem pode dizer se há condições ou não de os estados e a União abrirem não dessa receita", avisou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

 

Ainda segundo Ibaneis, os governadores preferiram convidar Guedes — e não o presidente Jair Bolsonaro — para a mesa de negociação porque queriam discutir o assunto com quem "verdadeiramente entende de economia" no governo. "Vamos dar nosso recado via Guedes", frisou.

 

Ibaneis aproveitou, então, para reforçar as críticas ao modo como Bolsonaro vem tratando dos preços dos combustíveis. Segundo ele, o presidente fez o desafio de zerar os impostos sobre os combustíveisna imprensa e nas redes sociais, mas ainda não chamou um debate técnico sobre o tema. 

 

"Todos [os governadores] estão muito preocupados com a maneira, de certo modo irresponsável, como o presidente colocou esse debate tão importante, como se estivesse querendo colocar a sociedade contra os estados", afirmou Ibaneis. 

 

Ele explicou que as receitas arrecadadas com o IPI, o Cide e o ICMS dos combustíveis são fundamentais para o caixa da União e dos estados, sobretudo neste momento de crise fiscal. E, por isso, não podem ser renunciadas de maneira tão brusca quanto sugeriu Bolsonaro.

 

O encontro em Brasília

preço dos combustíveis é o tema dominante da reunião de governadores que ocorre nesta terça-feira em Brasília. Antes de ser iniciada, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), já havia demonstrado a irritação dos gestores estaduais com o "desafio" de Bolsonaro. 

 

"Se o governo quer de fato tratar do ICMS dos combustíveis, é bom que o ministro Paulo Guedes converse com os governadores sobre esse tema, porque o governo federal detém, o presidente Jair Bolsonaro fica com quase 70% de toda a arrecadação do Brasil. Então, quem tem de ter o protagonismo de apresentar alguma proposta sobre os combustíveis é o próprio presidente, é o governo federal", provocou Casagrande.

Aós a chegada de Guedes, Casagrande falou mais uma vez com a imprensa e disse que Guedes admite que uma medida como a zerar impostos sobre os combustíveis não pode ser tomada no curto prazo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade