Publicidade

Correio Braziliense

Caixa lança crédito imobiliário com taxa de juros fixa a partir de 8%

Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, a medida permite ao cliente uma escolha frente às linhas de crédito atualizadas por TR


postado em 20/02/2020 12:50 / atualizado em 20/02/2020 15:54

(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
O presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã desta quinta-feira (20/2), do lançamento do crédito imobiliário com taxa fixa. A nova alternativa possui taxas de juros a partir de 8% até 9,75% ao ano e é válido para imóveis residenciais novos e usados, com quota de financiamento de 80%. O serviço estará disponível a partir desta sexta-feira (21/2).

 

Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, a medida permite ao cliente uma escolha frente às linhas de crédito atualizadas por TR, além de informar, desde o primeiro dia do contrato, o quanto será pago de empréstimo até a última parcela.

“Hoje teremos algo que realmente deixará a população com orgulho, porque vamos permitir que as pessoas tomem empréstimo por 20, 30 anos sabendo desde o primeiro dia quanto elas vão pagar. Em 2019, inovamos com a linha de crédito atualizada pelo IPCA. Com o lançamento da taxa fixa, estamos revolucionando o mercado imobiliário no país”, apontou.

 

Ainda de acordo com a Caixa, o cliente poderá escolher entre os sistemas de amortização SAC, para contratos até 360 meses, e price, para financiamentos de até 240 meses.Guimarães destacou ainda que a modalidade da taxa fixa tem as vantagens de transferência do risco do cliente para o banco, previsibilidade das prestações, e possibilidade de securitização (venda de carteira).

 

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, destacou que o lançamento foi possível devido ao cenário com taxa de juros e inflação baixa. “O crédito imobiliário é chave nesse processo. Nosso histórico de juros altos e inflação alta não permitiriam que a gente estivesse aqui hoje fazendo esse lançamento. Aproveito para deixar bem claro que não teríamos juros baixos e inflação controlada se não fosse o programa de reformas que o governo está fazendo. O programa de reformas começou,  mas precisamos continuar. É isso que vai dar sustentação para juros baixos”, concluiu.

Critérios para o financiamento

A Caixa explicou que a nova linha de crédito terá taxas diferenciadas a depender da quantidade de anos escolhida para que seja quitado o financiamento. A taxa mínima, por exemplo, é de 8% e será oferecida à pessoa que optar por financiar durante 10 anos. Quem assinar um contrato de 20 anos, terá uma taxa de 8,5%. Por fim, para o cliente que escolher pagar o financiamento em 30 anos, a taxa será de 9%. 

 

Segundo a instituição financeira, para conseguir uma das três taxas, o cliente terá de atender a critérios “diferenciados”. "Para ter a taxa mínima, você precisa naturalmente ter um tempo de relacionamento um pouco maior, são fatores que consideramos. Já temos esse padrão há algum tempo. Tem que ter uma posição dentro do banco", explicou o vice-presidente da Habitação da Caixa, Jair Mahl.

 

O banco também definiu taxas específicas para servidores públicos e para funcionários do iniciativa privada, desde que eles já tenham conta na Caixa. Os que se encaixam no primeiro perfil terão taxas de 8,25% (10 anos), 8,75% (20 anos) e 9,25% (30 anos). Para os da segunda categoria, as taxas serão de 8,5% (10 anos), 9% (20 anos) e 9,5% (30 anos). se interessar pelo financiamento mas não quiser abrir conta na Caixa, o banco vai oferecer contrato apenas para 30 anos, com taxa fixada em 9,75%.

 

Mahl ainda detalhou que a nova modalidade de crédito imobiliário vai dispôr de R$ 10 bilhões e deve valer apenas para novos contratos. “Lembrando que temos carteira de R$ 460 bilhões. A (modalidade) IPCA com R$ 10 bilhões, já emprestamos R$ 6,5 bilhões, e agora estamos lançando agora também taxa fixa com R$ 10 bilhões”, destacou.

 

Ele também disse que clientes com financiamento corrigido pela TR em banco privado poderão migrar para a linha de taxa fixa da Caixa. Por outro lado, não será possível, pelo menos em um primeiro momento, que os clientes da própria instituição financeira façam portabilidade entre as linhas do banco, como sair de TR para taxa fixa ou de IPCA para taxa fixa.

 

Apesar de a prestação com uma linha de crédito de taxa fixa ser mais alta do que os demais tipos de financiamento oferecidos pela Caixa, com o decorrer do tempo há um “decréscimo natural”, no caso de o cliente escolher quitar o financiamento pelo sistema de amortização SAC. Dessa forma, o financiamento com taxa fixa pode se tornar mais vantajoso do que os por TR ou IPCA.

 

“Com o SAC, a amortização é constante. Então, naturalmente, à medida que o cliente vai pagando a prestação, vai diminuindo o saldo devedor e vai diminuindo também o valor do juros que ele paga no tempo dos 360 meses. Por isso que não temos utilizado a expressão “prestação fixa”, porque a prestação só se torna fixa se o cliente fizer no sistema Price. Assim, ela fica fixa do início ao final dos 240 meses”, esclareceu.

 

“No SAC, a prestação se torna um pouco mais alta do que a TR, porém, pelo sistema de amortização que você escolheu, ele passa então a ter um crescimento natural. Quando o cliente for à agência, ele vai ter essa simulação perfeita e vai ficar sabendo quanto ele vai pagar pagar pela prestação no decorrer dos 10, dos 20, ou dos 30 anos”, acrescentou Mahl.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade