Publicidade

Correio Braziliense

Brasileiros no exterior mandaram US$ 326 milhões para o país em janeiro

Segundo o Banco Central, o valor registrado é um recorda para o mês de janeiro. A alta do dólar é um dos motivos da mudança


postado em 21/02/2020 13:48 / atualizado em 21/02/2020 14:27

Saldo dessas transferências pessoais normalmente não é comentado pelo Banco Central, mas entrou na conta do setor externo brasileiro(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Saldo dessas transferências pessoais normalmente não é comentado pelo Banco Central, mas entrou na conta do setor externo brasileiro (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Se, por um lado, o dólar alto tem reduzido as despesas dos brasileiros no exterior; por outro, tem elevado a quantidade de recursos que os brasileiros que moram no exterior têm enviado para os parentes que ficaram no Brasil. Segundo o Banco Central, essa cifra registrou o maior valor de todos os tempos para o mês de janeiro neste ano: US$ 326 milhões.

O saldo dessas transferências pessoais normalmente não é comentado pelo Banco Central, mas entrou na conta do setor externo brasileiro, que foi apresentado nesta sexta-feira (21/2) pela autoridade monetária, justamente porque apresentou um resultado bem mais significativo do que nos últimos anos. Em janeiro do ano passado, por exemplo, o saldo foi de U$$ 214 milhões.

"Foi o melhor resultado do mês para essas receitas", explicou o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, dizendo que esse saldo está diretamente relacionado à alta do dólar, que subiu 11% nos últimos 12 meses, segundo os cálculos do BC.

"A maior depreciação faz com que a mesma quantidade de dólares que era mandada do exterior gere uma quantidade maior de reais. [...] Um parente que mora nos Estados Unidos e manda recursos para os familiares no Brasil, por exemplo, continua recebendo o mesmo salário em dólar. Mas, quando mandava dinheiro em janeiro do ano passado, o dólar valia R$ 3,74. Já neste mês, valia R$ 4,15, quase 11% a mais", explicou Rocha.

Ele ainda admite que, como o dólar continua subindo, a tendência é que essa conta de transferências pessoais continue com um resultado significativo nos próximos meses. Nas últimas semanas, por sinal, o câmbio já está bem acima da média de R$ 4,15 de janeiro. A moeda tem subido tanto por conta de riscos externos como o coronavírus, quanto por conta das declarações polêmicas do ministro da Economia, Paulo Guedes, que recentemente disse que era bom manter o dólar alto para acabar com a festa das empregadas domésticas indo à Disney. Hoje, por exemplo, a moeda bateu um novo recorde, chegando a R$ 4,40.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade