Publicidade

Correio Braziliense

Cenário com coronavírus deverá piorar projeções para PIB e dívida pública

De acordo com o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, caso a desaceleração da economia global seja muito acentuada projeções do crescimento do governo tendem a diminuir


postado em 27/02/2020 13:30 / atualizado em 27/02/2020 20:39

O Tesouro apresentou nesta quinta-feira (27/02) novas projeções para a dívida pública(foto: Arquivo/Agência Brasil)
O Tesouro apresentou nesta quinta-feira (27/02) novas projeções para a dívida pública (foto: Arquivo/Agência Brasil)
A chegada do novo coronavírus ao Brasil deve afetar as projeções do crescimento do governo para baixo e piorar as projeções da dívida pública, de acordo com o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, caso a desaceleração da economia global seja muito acentuada. Na quarta-feira, o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso da doença COVID19 em um paciente em São Paulo após retornar de uma viagem de trabalho da Itália.

“O coronavírus afeta a projeção de dívida porque, para ela cair,  é preciso haver um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Se o PIB mundial crescer menos, isso afetará o do Brasil e, portanto, afetará a relação dívida-PIB”, explicou Mansueto, nesta quinta-feira (27/02). Para ele, essa epidemia é um novo fenômeno de risco e, certamente, vai impactar nos preços das commodities e na expansão da economia global, porque já está vendo uma redução nas projeções de lucro das empresas. 

“É preciso estarmos preparados. Antes, a extensão era incerta, mas agora temos um movimento mais difuso da doença a partir da Europa. É preciso ver como será essa evolução. O mundo todo está observando isso”, disse. Ele lembrou que os mercados já estão reagindo a tudo isso, com as bolsas caindo e os investidores correndo para países onde há mais segurança para o investimento.

De acordo com Mansueto, “não será possível ver uma estabilização da dívida pública neste governo”. O Tesouro apresentou nesta quinta-feira (27/02) novas projeções para a dívida pública prevendo aumento da taxa em relação ao PIB neste ano. Depois de cair pela primeira vez desde 2013, para 75,8%, em 2019, a dívida pública bruta voltará a subir em 2020. A taxa deve passar para 77,9%, neste ano, e continuará registrando altas até 2023, quando atingirá o pico de 79,4%, conforme as projeções do Tesouro. Esse dado, no entanto, dependendo de uma nova revisão nas estimativas devido ao coronavírus, poderá piorar.

Mansueto lembrou que a queda da dívida bruta em 2019 foi decorrente da venda de reservas do Banco Central antecipação de devoluções do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de mais de R$ 100 bilhões, quando o esperado era de apenas R$ 26 bilhões. Apenas essas duas medidas evitaram que a dívida bruta ultrapassasse 80% do PIB no ano passado, segundo ele, reduzindo a relação em 3 pontos percentuais.

Pelas projeções do Tesouro, a trajetória dívida líquida mostra uma piora maior do que a bruta, porque ela continuará crescendo por um período mais longo, chegando ao pico de 66,4% em 2025. Com isso, ela volta a patamares muito parecidos com os de 2002, mostrando que o país precisa continuar fazendo ajuste fiscal, caso contrário a dívida ainda corre o risco de explodir.

“Estamos falando de um país que tem carga tributária alta e que, na ocorrência de choques adversos, não tem instrumento para fazer política anticíclica”, alertou Mansueto. Ele lembrou que 94% da despesa primária é obrigatória e, portanto, o ajuste fiscal precisa continuar sendo feito de forma gradual, focando no corte de despesas. “Desde a Constituição de 1988, os ajustes foram feitos por meio de aumento de carga tributária”, lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade